Comunicação em Tribo

Para gerar a sensação de pertencimento, é preciso avaliar a forma como nos comunicamos e vivemos em comunidade, especialmente neste mundo em rede.

Segundo pesquisas recentes em diversas companhias, um dos maiores motivadores do engajamento de pessoas é o orgulho de pertencer – a sensação de que o ambiente considera e valoriza a contribuição individual. Esse é um ponto sensível que influencia o engajamento e a felicidade no trabalho (assim como a produtividade).

Para gerar a sensação de pertencimento, é preciso avaliar a forma como nos comunicamos e vivemos em comunidade, especialmente num momento em que o mundo está em rede.

 

A experiência da tribo

Certa vez, uma amiga que há anos desenvolve trabalhos com tribos indígenas me disse que os Índios Xavantes conversam em rodas, escutando-se sem interrupção. A orientação é que cada pessoa expresse sua opinião, falando em primeira pessoa e ao terminar, silencia. A próxima pessoa toma a palavra e inicia sua fala mencionando o que foi trazido anteriormente. Em seguida, inclui a sua perspectiva pessoal a respeito do tema.

Para os Xavantes, é importante reconhecer que o outro vê e narra as coisas à sua maneira, ao mesmo tempo que pode incluir a sua perspectiva, independente do grau de afinidade entre uma e outra.

Desde que soube disso, tenho refletido sobre a forma como temos conversado. Sobre a falta de paciência para se manter em silêncio e escutar até o fim. Na forma agressiva de se contrapor e se sobrepor à uma opinião que difere ou desafia. Na armadilha das verdades absolutas e das censuras. Na visão dual do mundo e do outro – certo ou errado, bem ou mal, serve ou não serve, aceitável ou inaceitável.

Existe um fenômeno que nos ajuda a entender melhor o que há por trás disso, o viés inconsciente. De maneira automática, julgamos e fazemos suposições sobre pessoas e situações ao nosso redor. Diferente do preconceito em si, o viés inconsciente parte de crenças cristalizadas em nós, influenciadas pelos discursos culturais históricos.

Para que as pessoas sintam que pertencem e que são valiosas, é preciso antes de mais nada incluí-las, escutando e dividindo a responsabilidade pelos desafios da companhia. Por vezes, será preciso sustentar conflitos e desconfortos, além de inovar nos processos de contratação, diversificando raças, gêneros, gerações, orientações sexuais, sotaques etc. Sobretudo, será preciso legitimar todas as visões de mundo; incluir é a palavra de ordem.

No fim do dia, ser aceito, incluso e valorizado pela individualidade, gera felicidade a qualquer ser humano. E em qualquer tribo.

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s