Alta de combustíveis significa alta de inflação

Dia de ficar de olho nos postos e encher o tanque para salvar uns trocados.

Na última segunda-feira, a Petrobrás anunciou um reajuste médio de 3,5% no preço médio da gasolina vendida em seus postos, que deveria entrar em vigor na terça-feira.

O aumento nas refinarias foi de R$ 0,07 por litro.

A partir de hoje, depois do feriado do Dia do Trabalho, é que os motoristas vão começar a sentir os reflexos nos postos de combustíveis, pois o preço final depende de diversos fatores como impostos, margens de lucros de postos e distribuidoras, além da mistura obrigatória de biocombustível. 

A gasolina vendida pela Petrobras representa 32% do preço final do combustível.

Este ano, o preço da gasolina nas refinarias da Petrobras acumulam uma alta de 35,5%. Nos postos, no entanto, o aumento está em torno de 4%. Mesmo assim, qualquer reajuste pesa no bolso do consumidor, principalmente de quem depende do carro para trabalhar como é o caso dos vendedores, representantes comerciais e os motoristas de táxi ou de aplicativos.

Sempre é interessante fazer uma pesquisa de preços e saber se o combustível é de boa qualidade. Alguns postos ainda têm gasolina em estoque. Outros fazem promoções nos pagamentos à vista ou através de aplicativos. E há ainda os estabelecimentos que parcelam o valor do abastecimento no cartão de crédito. Mas, parcelar não é algo muito interessante para aquilo quye se consome com frequência.

Mauro Calil é fundador da Academia do Dinheiro