Após polêmica, VIU Hub e SporTV apresentam o movimento #PorqueÉMulher

Ação vem após campeã do "Looking for a Caster" receber centenas de críticas machistas que alegavam que Camilla Garcia venceu o reality show por ser mulher

No dia 19 de julho, Camilla “Milla” Garcia levantava ao vivo o troféu de campeã do Looking for a Caster, após uma acirrada disputa com Victor Stoker na final do primeiro reality show do SporTV e da VIU Hub, unidade de negócios digitais da Globosat. Milla se tornou a nova voz do Rainbow Six Siege no Brasil, em uma decisão do público (teve 55% dos votos) ao empatar com seu oponente nas escolhas feitas pelo júri especializado e pelo time interno do Esporte do Grupo Globo. Na sequência, a narradora foi alvo de uma leva de comentários machistas nas redes sociais, com acusações e julgamentos alegando que sua vitória não era por talento, mas sim por ela ser mulher.

Isso levou a VIU Hub e o SporTV a reforçar a importância do assunto com a campanha #PorqueÉMulher a partir da divulgação de um vídeo-manifesto nas redes sociais do e-sporTV, canal no YouTube especializado em eSports, como ponto de partida das ações. “Milla e Stoker foram dois finalistas exemplares. É natural que algumas pessoas não concordem, o que não é normal é ofender com críticas machistas por não aceitar o resultado. Com esse movimento queremos abrir ainda mais espaço para diálogos que possam contribuir para alguma mudança positiva na sociedade”, afirma Vanessa Oliveira, diretora geral da VIU Hub.

As primeiras críticas vieram assim que o resultado foi anunciado nas redes sociais do e-SporTV. “Quando lemos esses comentários percebemos que ainda temos um longo caminho a trilhar para acabar com esse tipo de pensamento. Milla não ganhou por ser mulher, ela foi eleita porque passa emoção, porque tem uma voz marcante e expressiva, porque se mostrou tecnicamente preparada para narrar o game”, explica Leandro Valentim, Head de Novos Negócios do Esporte do Grupo Globo.

#PorqueÉMulher chega para reforçar um tema já trabalhado em outras frentes como #DeixaElaTrabalhar, “Mexeu com uma, mexeu com todas”, #PrimeiroAssédio e “Não é não!”, entre outras. O assunto será discutido também em programas de outras marcas da Globosat. “Essa campanha é necessária e será abraçada também pelo GNT, Multishow, Canal Brasil, Universal e Gloob, por exemplo. Ela começou por causa de comentários do universo gamer nas redes do e-SporTV e do SporTV, mas é algo que acontece em diversas outras frentes. Vamos ampliar a discussão dentro dos nossos programas e redes sociais”, adianta Mariana Novaes, gerente de marketing da Globosat.

Para dar ainda mais visibilidade ao tema, as marcas da Globosat terão uma série de iniciativas para levar a discussão até seu público. Também serão criados cards para compartilhamento nas redes sociais com frases sobre o conceito da campanha, uma série de artigos, podcasts e vídeos para a Plataforma Gente, da Globosat, entre outros. O vídeo da ação você vê abaixo: