Ferrari dos livros

A arte de produzir obras à altura dos carros que homenageiam

Entrei em uma livraria em um shopping de luxo, em São Paulo, e perguntei pelo livro Ferrari, editado pela Taschen, que eu já vira em outra ocasião exposto ali bem no hall de entrada, chamando a atenção até de quem não o procurava, com sua capa de couro vermelha, acomodado em uma nada convencional caixa inspirada em motor de alumínio projeto do designer Marc Newson.

Vendeu, respondeu o atendente, informando, aliás, que os cerca de dez exemplares que estavam disponíveis tiveram o mesmo destino. Parece pouco, em se tratando de um merolivro. Seria um caso clássico de fracasso editorial, não fosse um detalhe: cada unidade custa, pelo que via no site da editora, R$ 27 milMas esse valor já chegou a R$ 35 mil, dizem outros livreiros.

Boa parte dos felizes compradores, me informou outro vendedor, é composta por felizes proprietários deFerrari alguns de mais de uma. Há até quem fez questão de deixar as Ferrari, o carro e o livro, no mesmo ambiente: no caso, na sala de casa, que faz o papel de garagem.

E eu, inocente, achando que o livro fosse um prêmio de consolação para quem não podia ter o carro

Aproveitei um almoço que teria com Julius Wiedemann, editor sênior da Taschen, uma das mais célebres editora de livros de arte do mundo, para conversar sobre este espetacular mundo dos livros de mesa ou, vá lá, coffee table books, como são conhecidos mundo afora , plataforma feita na medida para exibir em grande estilo e tamanho temas que envolvam cultura e consumo de luxo carros incluídos, com louvor.

Julius Wiedemann, editor da Taschen Julius Wiedemann, editor da Taschen

Julius Wiedemann, editor da Taschen (Taschen/Divulgação)

Car & Fun: Qual o segrego para o leitor perceber valor em livros como Ferrari e não titubear em pagar um preço nada convidativo pela obra?

Julius Wiedemann: Trabalhamos com uma criação de valor que é prontamente identificável. Os livros são grandes, diria que é a maior tela de alta resolução que existe; trazem acabamento com materiais nobres, como o couro da capa, que é o mesmo dos assentos dos carros; são produzidos pelos mais renomados profissionais da arte, caso do encadernador, que presta serviços para o Vaticano; são impressos em máquina de última geração, geralmente na Itália, que, hoje, está na vanguarda nesse quesito; e, por último, mas não menos importante, são assinados por renomados especialistas.

No caso de Ferrari, grosso modo, seria como se o livro tivesse a pretensão de mostrar o valor do carro. Não se trata de uma marca comum, portanto, a obra também não pode ser comum.

C&F: Como são definidos os títulos?

JW: A premissa básica é que os temas tenham relevância cultural, não importa a área. A Ferrari, no caso, é muito mais que um automóvel, ela falaaté a quem não é aficionado por carros.

Livro Ferrari, da Taschen Livro Ferrari, da Taschen

Livro Ferrari, da Taschen (Taschen/Divulgação)

C&F: Quanto tempo foi preciso para produzir Ferrari?

JW: Cerca de três anos. É bastante, mas há projetos que demoram ainda mais, cinco, oito anos até. Tudo depende da complexidade e do nível de detalhamento da obra. Precisamos oferecer uma informação especial para o leitor, de preferência algo que nunca foi publicado antes. E esse levantamento de coisas inéditas é trabalhoso.

C&F: A função desses livros é promover a editora, basicamente, ou eles conseguem ser rentáveis?

JW: Alguns podem não ser, mas no caso de Ferrari, é!. Na apresentação do livro na Feira de Frankfurt, em 2018, um distribuidor da marca em Hong Kong comprou trinta exemplares de uma vez, apenas para presentear seus clientes. Em casa, o orgulho em mostrar o carro adquirido rivaliza com o de apresentar o livro. É o perfil de cliente que paga por um objeto sem pensar duas vezes.

Livro Ferrari, da Taschen Livro Ferrari, da Taschen

Livro Ferrari, da Taschen (Taschen/Divulgação)

E esses livros, depois de um tempo, passam a valer mais, feito um objeto de arte. Pode ser visto com um investimento mesmo!

Livro Ferrari, da Taschen Livro Ferrari, da Taschen

Livro Ferrari, da Taschen (Taschen/Divulgação)

Livro Ferrari, da Taschen Livro Ferrari, da Taschen

Livro Ferrari, da Taschen (Taschen/Divulgação)


Chico Barbosa é jornalista, escritor e editor da CBNEWS. Instagram: @chico.barbosa