Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Zika infecta células relacionadas à formação craniana

A pesquisa pode ajudar a explicar por que bebês nascidos de mães que tiveram o vírus podem ter crânios menores

Londres – O Zika vírus, que causou uma epidemia no Brasil e está se espalhando pelas Américas, pode infectar e alterar células do sistema nervoso humano que são cruciais para a formação dos ossos e da cartilagem do crânio, revelou um estudo nesta quinta-feira.

A pesquisa, publicada no periódico científico Cell Host & Microbe, pode ajudar a explicar por que bebês nascidos de mães que tiveram o vírus podem ter crânios menores do que a média e feições desproporcionais.

Já se provou que o zika ataca células cerebrais fetais conhecidas como células progenitoras neurais – um tipo de célula-tronco que dá origem a várias espécies de células cerebrais.

A morte destas células é o que interrompe o desenvolvimento do cérebro e leva à microcefalia, uma má-formação craniana vista em bebês cujas mães foram infectadas pelo zika durante a gravidez.

Os cientistas norte-americanos que realizaram este estudo mais recente infectando células humanas com zika no laboratório descobriram que o vírus pode contaminar outro tipo de célula conhecida como célula da crista neural – que dá origem aos ossos e à cartilagem do crânio – e fazer com que elas secretem moléculas sinalizadoras que alteram sua função.

No laboratório, os níveis elevados destas moléculas foram suficientes para induzir diferenciação prematura, migração e morte das células progenitoras neurais, disseram os pesquisadores.

“Além dos efeitos diretos do zika vírus nas células progenitoras neurais e seus derivados, este vírus pode afetar o desenvolvimento cerebral indiretamente por meio de um diálogo cruzado sinalizador entre tipos de células embrionárias”, disse Joanna Wysocka, bióloga química e de sistemas da Escola de Medicina da Universidade de Stanford e coautora do estudo.

O zika vírus já se disseminou por quase 60 países e territórios desde que o surto atual foi identificado no ano passado no Brasil, causando alarme por sua capacidade de provocar microcefalia e outras doenças neurológicas em crianças e adultos.

O Brasil é o país mais afetado até o momento, com mais de 1.800 casos relatados de microcefalia.