Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,64 -0,70%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,10% 63.919 pts
Pontos 63.919
Variação 1,10%
Maior Alta 2,67% BBAS3
Maior Baixa -5,97% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 11:37 FONTE

Xiaomi deve iniciar fabricação no Brasil em março

A Xiaomi, a “Apple chinesa”, prepara-se para iniciar em março a produção dos primeiros protótipos do smartphone Redmi Note 4G no Brasil, diz relato

São Paulo — A Xiaomi, quinta maior fabricante de smartphones no mundo e número um na China, deve iniciar em março a produção dos primeiros protótipos no Brasil.

A informação sobre o início da produção foi passada a EXAME.com por uma pessoa que se diz ligada à Foxconn, uma das empresas que fabricam os smartphones da Xiaomi na China. Como se trata de um informe não oficial, não há 100% de certeza de que esteja correto.

Oficialmente, a Xiaomi só diz que pretende estrear no mercado brasileiro neste semestre. É um cronograma compatível com o relato que recebemos. No Brasil, a Foxconn tem fábricas em Manaus, Jundiaí (SP) e Indaiatuba (SP).

A empresa estaria adaptando uma das linhas de produção no interior de São Paulo para fabricar os produtos da Xiaomi. Com os primeiros protótipos saindo dela na segunda quinzena de março, a produção regular deve se iniciar em abril. Teríamos, então, um provável lançamento no final de abril ou em maio. 

A Xiaomi já obteve homologação da Anatel para vender no Brasil o Redmi Note 4G, smartphone com tela de 5,5 polegadas (mesmo tamanho da tela do iPhone 6 Plus), câmera frontal de 13 megapixels e câmera traseira de 5 megapixels.

Como outros modelos da marca, o Redmi Note 4G roda uma versão modificada do sistema Android. Na Índia, esse aparelho custa o equivalente a 454 reais. 

Na Ásia, a Xiaomi vende seus produtos pela internet, diretamente aos consumidores. É uma maneira de cortar custos e manter os preços baixos. Mas não sabemos qual será o modelo de vendas no Brasil. Rumores do mercado dizem que a empresa estaria negociando parcerias com operadoras.

A combinação de produtos atraentes com preços agressivos permitiu à Xiaomi conquistar a liderança do mercado chinês em 2014, ultrapassando a Samsung e outros fabricantes. 

Mundialmente, a Xiaomi está em quinto lugar no ranking, atrás de Samsung, Apple, Lenovo/Motorola e Huawei. Ela teve 16,6% de participação no mercado no último trimestre de 2014, segundo dados da IDC. Seu crescimento no ano passado, em número de aparelhos vendidos, foi de espantosos 179%.

EXAME.com experimentou o smartphone Redmi Note 4G, que deverá ser vendido no Brasil. Veja nossas impressões no vídeo abaixo: