Taxistas e representantes do Uber se reúnem para debate em São Paulo

Propostas dos dois lados foram ouvidas na Câmara Municipal de São Paulo

Taxistas e representantes do aplicativo Uber participaram na última segunda-feira (10) de um debate na Câmara Municipal de São Paulo sobre o modelo de transporte público individual para a cidade. Houve manifestações de reprovação durante as falas, interrupções e até provocações pessoais entre os participantes e o público presente.

O debate foi organizado pelo vereador Ricardo Young (PPS), que disse, no início da discussão, tratar-se de uma oportunidade para proposições de alternativas e de aprendizagem para os dois lados. “Aqui não é para decidir quem tem razão, é para ouvir uns aos outros e construir juntos”. O vereador não acredita que a proibição do Uber seja a melhor alternativa.

O posicionamento dos representantes sindicais dos taxistas é de que a Uber trabalha na ilegalidade. O presidente do Simtetaxi (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores nas empresas de Táxis do estado), Antônio Raimundo Santos, disse que trabalhar com carro particular é um desrespeito às leis e convidou, na ocasião, os motoristas do aplicativo a se juntarem à categoria e trabalhar com táxis.

O representante da Uber, Daniel Mangabeira, defendeu-se e disse que o aplicativo não trabalha na ilegalidade e que há lastro legal permitindo que esse modelo exista. Para Daniel, o Uber é um modelo complementar, que pode coexistir com qualquer transporte público na cidade.

O especialista em engenharia de tráfego, Sergio Ejzenberg, afirmou que a tecnologia vai trazer muito mais do que esse aplicativo. Ele citou como exemplo a carona programada, em que as pessoas poderão se associar por meio de um aplicativo de trânsito, a fim de aumentar suas possibilidades de locomoção. “Estamos vivendo uma economia compartilhada. Vai aumentar a demanda sinérgica de todos os prestadores de serviço”.