Supertablet da Microsoft ressuscita no iPad

Dois novos aplicativos levam ao iPad conceitos do tablet de tela dupla Courier, que a Microsoft desenvolveu e abandonou em 2010

São Paulo — Enquanto Steve Jobs anunciava o iPad, em 2010, uma equipe da Microsoft trabalhava num tablet concorrente com desenho singular. Chamado Courier, ele tinha duas telas lado a lado, como as páginas de um livro aberto. Nelas, o usuário podia armazenar, organizar e pesquisar informações com as pontas dos dedos.

A Microsoft abandonou esse projeto quando decidiu concentrar no Windows 8 seus esforços no mercado de tablets, logo depois que a Apple começou a vender o iPad, em 2010. Agora, dois aplicativos – Paper e Taposé – levam ao iPad vários dos conceitos do Courier. O detalhe é que os dois apps foram criados por ex-funcionários da Microsoft que estiveram ligados ao projeto Courier. 

O Paper, da empresa FiftyThree, é um elegante aplicativo para anotações e desenhos artísticos. Numa interface simples, ele oferece ferramentas como pincel, lápis e caneta, além de vários tipos de papel virtual para os desenhos. O app ainda permite compartilhar os trabalhos nas principais redes sociais. 

O site da FiftyThree informa que Georg Petschnigg, o principal executivo da empresa, foi um dos criadores do Pioneer Studios, o laboratório da Microsoft onde foi desenvolvido o Courier. Os outros quatro fundadores da FiftyThree também trabalharam na  Microsoft, desenvolvendo produtos como Xbox, Zune, Office e Bing.


Já o Taposé é uma mistura de bloco de notas com organizador de informações e ferramenta de trabalho em equipe. Na tela do iPad, ele mostra um caderno aberto, como o Courier. Nele, o usuário pode colecionar textos, desenhos, fotos, mapas e outros elementos.

O Taposé foi desenvolvido pela Zanther, que tem como principal financiador J Allard, como descobriu a blogueira americana Mary Jo Foley. Allard é o executivo que bancou o projeto Courier quando trabalhava na Microsoft e que saiu da empresa pouco depois de esse projeto ter sido abandonado. O site da Zanther deixa claro que as ideias que levaram ao Taposé vieram do Courier.

Um texto sobre a história da empresa diz: “A equipe do Taposé deve, primeiro, dar crédito ao que foi o badalado projeto Courier, já que ele forneceu a inspiração inicial para o que faríamos. Benjamin Monnig via o Courier como uma ideia revolucionária e sabia que ele tinha espaço no mercado atual de tablets, apesar de a Microsoft ter matado o projeto logo após o anúncio do iPad”.

Despois dessa descrição, vem uma frase de Monnig, um dos fundadores da Zanther: “O iPad é uma máquina fantástica, mas faltava a ele a capacidade multitarefa de criação de conteúdo do Courier”. Ao que parece, não falta mais. 

Confira, abaixo, um vídeo de demonstração do Paper.