Por que a China não copiou com sucesso alto-falantes inteligentes

Apesar do país criar suas próprias versões de site de busca (Baidu) e de comércio eletrônico (Alibaba), por exemplo, no mercado de áudio a ausência é notada

Quando se trata de empresas web, a China criou suas próprias versões de um motor de pesquisa (Baidu), de uma plataforma de comércio eletrônico (Alibaba) e de um serviço de streaming de vídeo (iQiyi) com um sucesso estrondoso.

No entanto, há uma notável ausência de alto-falantes inteligentes, como Amazon Echo ou Google Home.

O mercado de dispositivos que usam áudio para fornecer serviços de inteligência artificial é tão incipiente na China que poucas empresas de pesquisa monitoram as vendas.

A Research Counterpoint estima que 2 milhões de unidades de alto-falantes inteligentes serão vendidas na China neste ano, em comparação com 14 milhões nos EUA.

A questão da adoção não se resume apenas aos dispositivos — trata-se de quais empresas irão controlar o fornecimento de serviços baseados em IA.

Nos EUA, Amazon.com, Google, Microsoft, Apple e Facebook estão disputando para determinar qual irá consolidar um lugar no centro da vida digital das pessoas.

A Amazon informou nesta semana que o Echo, com um grande desconto, foi o produto mais vendido durante o evento de compras Prime Day.

“A compreensão geral e a resposta para o idioma natural chinês em forma de conversação ainda não estão maduras”, disse Tracy Tsai, analista da Gartner. O reconhecimento de áudio ruim nos dispositivos produzidos por alguns fabricantes chineses é uma razão fundamental para a não adoção, disse ela.

Outros fatores também explicam por que os alto-falantes inteligentes não estão decolando no maior mercado de varejo do mundo, de acordo com Kai Yu, CEO da Horizon Robotics e fundador do Instituto de Aprendizagem Profunda da Baidu, o maior motor de pesquisa da China.

Muitas pessoas, especialmente os trabalhadores mais jovens, tendem a passar menos tempo em casa, onde os alto-falantes inteligentes devem ser usados.

“Se você observar a popularidade do negócio de entrega de alimentos, perceberá que as pessoas não têm muito tempo; os jovens passam a maior parte do tempo no trabalho ou indo para o trabalho”, disse Yu. “Ainda há dúvidas sobre se os alto-falantes inteligentes serão realmente populares na China.”

Tianran He, que mora em Pequim, não vê uma razão convincente para comprar um alto-falante inteligente e não ouviu nenhum de seus amigos ou familiares dizer que compraria um. “Ter um alto-falante em casa e saber que o aparelho poderia captar todo o áudio soa um pouco estranho para mim”, disse ele.

Os consumidores chineses também tendem a gastar mais tempo consumindo conteúdo em dispositivos móveis enquanto se deslocam, e não em salas de estar e quartos. No iQiyi da Baidu, o serviço de streaming mais popular do país em termos de tempo de visualização, quase 70 por cento dos usuários assistiram a programas e filmes em smartphones e tablets, de acordo com dados do início de 2016.

Em contraste, a maioria dos telespectadores da Netflix consome conteúdos em TVs em casa, de acordo com um discurso de Scott Mirer, vice-presidente de ecossistemas de dispositivos parceiros, no ano passado.

Embora os alto-falantes inteligentes não tenham se tornado um sucesso na China, as empresas web do país pretendem vendê-los.

A loja virtual JD.com é a maior marca a oferecer um e a projeção é de que as remessas de alto-falantes com sua tecnologia atingirão 1 milhão de unidades até o fim do ano. A Counterpoint prevê que 22 milhões de dispositivos serão vendidos na China em 2022.