Pesquisadores criam protótipo de sensor óptico flexível

O protótipo tem baixo custo e fácil montagem e, segundo o pesquisador, "oferece grandes possibilidades em relação de outros instrumentos"

Madri – Uma equipe de pesquisa espanhola criou um sensor óptico flexível que poderá ser utilizado para o controle da qualidade de bebidas e de parâmetros ambientais.

O protótipo, de muito baixo custo e fácil montagem, “oferece grandes possibilidades em relação de outros instrumentos ópticos”, destacou o investigador principal do projeto, Carlos Angulo Barrios, no último número da revista “e-Politécnica Investigación e Innovación”.

O sensor consiste em um conduíte de onda formada por uma fita maleável na qual se introduz luz procedente de um LED em um de seus extremos.

A luz projetada é detectada no outro extremo mediante o uso de um fotodiodo, explicou o pesquisador, e a flexibilidade da fita permite que a guia possa ser submersa no líquido que se deseja examinar.

Desta forma se pode avaliar, por exemplo, o grau de amadurecimento da uva através da medida do índice de refração de seu suco ou o conteúdo alcoólico das bebidas.

Os materiais para o protótipo – fita, LED e fotodiodo – são de “muito baixo custo e sua montagem é muito simples”, já que pode ser realizada por pessoal não qualificado de forma rápida.

Graças a estes atributos, o sensor desenvolvido pela equipe da Universidade Politécnica de Madri pode ser aplicável tanto no setor alimentício, para o controle da qualidade das bebidas, como no setor de meio ambiente, para o controle da qualidade de água.

A criação do sensor se inclui dentro de um projeto beneficiado da Convocação 2015 de Ajudas da Fundação BBVA a Pesquisadores e Criadores Culturais.