São Paulo – O YouTube lançou nessa quarta-feira (2) um projeto global em parceria com as Nações Unidas (ONU) para empoderar as vozes femininas na plataforma. A ideia chega como uma comemoração ao Dia Internacional da Mulher, celebrado no oito de março.

A empresa irá investir em vídeos criados por cineastas do sexo feminino, colocando elas na frente e atrás das câmeras. Os locais selecionados para as gravações foram Londres, Los Angeles, Tóquio, São Paulo, Nova York e Berlim. O motivo da escolha é que apenas nessas cidades existem YouTube Spaces – lugares feitos pelo Google exclusivamente para a produção de vídeos.

Sob a direção de seis YouTubers de várias partes do planeta, entre elas a brasileira Julia Tolezano – também conhecida como Jout Jout – os vídeos são desde homenagens e conteúdos originais, até discussões sobre mulheres no mercado de trabalho. Todos eles serão publicados no canal oficial do YouTube Spaces.

Um dos vídeos já publicados na plataforma é um manifesto das seis coordenadoras. Cada uma delas encarnou uma mulher importante na história mundial, como a pintora Frida Kahlo e a pilota Amelia Earhart. Jout Jout faz o papel da militante comunista Patrícia Galvão, a Pagu, uma das primeiras brasileiras a ser presa política.

13 brasileiras serão coordenadas por Julia para participar da campanha. Elas têm canais no YouTube que discutem assuntos relacionados ao sexo feminino, como o Afro e Afins, que fala sobre as mulheres negras e o Mandy Candy que disserta sobre mulheres trans.

Embaixadoras da Mudança

Além da publicação dos vídeos, o YouTube também indicou YouTubers para o primeiro grupo de Embaixadoras da Mudança, que faz parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Esse time é totalmente focado na luta pela igualdade de gênero.

“Por meio de vídeos e participação em eventos da ONU, esses embaixadores vão ajudar a mobilizar suas audiências para que eles participem de discussões importantes sobre igualdade de gênero ao redor do mundo”, explica o Google em seu blog oficial.

A empresa selecionou as YouTubers Ingrid Nilsen, Jackie Aina, Yuya, Hayla Ghazal, Louise Pentland, Chika Yoshida e a brasileira Taty Ferreira, do canal Acidez Feminina, para fazer parte do seleto grupo.

Em seu blog, o Google escreve que espera “que esses novos projetos inspirem ainda mais mulheres a encontrar suas vozes, criar seus próprios papéis, roteiros e histórias para lutarem pelas causas que acreditam”.

O vídeo abaixo (em inglês) mostra o primeiro manifesto: 

Tópicos: Feminismo, Google, Empresas, Tecnologia da informação, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Empresas de internet, Vídeos, YouTube