São Paulo - A banda larga nos Estados Unidos mostrou que a velocidade média quase dobrou em um ano, segundo atestou a agência reguladora norte-americana Federal Communications Comission (FCC).

Ainda assim, o resultado mostrou "crescente disparidade" entre provedores de xDSL (como AT&T e Verizon) e cabo (como Comcast e Time Warner Cable), conforme consta no quinto relatório de qualidade da Internet da FCC referente a setembro, mas divulgado no final de dezembro.

Segundo o relatório, a velocidade média aumentou de 37,2 Mbps em setembro de 2013 para 72 Mbps em setembro do ano passado, um aumento de 94%.

A FCC diz que a maioria dos usuários experimenta conexões com velocidades reais próximas ou até superiores das vendidas pelos ISPs.

Vale lembrar que a agência passou a considerar em janeiro do ano passado a velocidade mínima de 25 Mbps para uma conexão de banda larga.

A FCC afirma ainda que os provedores de cabo aumentaram a velocidade vendida de 12 a 20 Mbps em 2011 para 50 a 105 Mbps em 2014 graças à utilização de novas tecnologias como Docsis 3.

Por outro lado, as conexões xDSL mostraram crescimento menor, especialmente em termos de velocidade máxima, mantendo 12 Mbps ou menos desde 2011.

Essa disparidade em tecnologias também afeta a experiência do usuário em termos de latência e perda de pacotes. O relatório mostra que, em geral, o consumidor americano tem pouco desses problemas, mas quem tem conexão xDSL sofre mais.

Naturalmente, o relatório exibe um desempenho melhor avaliado nas conexões de fibra da Frontier e Verizon (a que observou maior velocidade real, entre 45 e 50 Mbps).

Tópicos: Banda larga, Internet, Estados Unidos, Países ricos