São Paulo – O maior dinossauro que já pisou na Terra deu seus primeiros passos em 94 milhões de anos. Na esfera virtual, é claro. Com a ajuda de avançados computadores e dados coletados por pesquisadores argentinos, cientistas da Universidade de Manchester (Reino Unido) conseguiram reconstituir os movimentos do Argentinossauro.

De acordo com a equipe, o poder de processamento da modelagem computacional usada equivale a 30 mil PCs. E, além de mostrar pela primeira vez como este dinossauro caminhava e corria, o experimento refutou teses que alegavam que o tamanho do animal havia sido superestimado e que, na realidade, ele jamais poderia ter caminhado.

“Este estudo mostra que o Argentinossauro foi mais do que capaz de caminhar pela planície do que é hoje a Patagônia”, explicou Lee Margets, um dos cientistas participantes do projeto. Também fizeram parte do estudo pesquisadores argentinos que foram responsáveis pela reconstrução física do dinossauro.

Segundo os cientistas, um software próprio foi usado para a reprodução dos movimentos deste herbívoro. “Este animal não é como um animal qualquer dos dias atuais”, disse Bill Sellers, outro cientista envolvido na pesquisa, “então não podíamos ter copiado um animal moderno”.

Ainda de acordo com ele, o sistema usado por eles funciona a partir das informações existentes do animal e é capaz de prever quais seriam os seus padrões de movimento. Estima-se que o Argentinossauro pesava 100 toneladas, tinha 45 metros de comprimento e 21 metros de altura.

Encontrado na Argentina no final da década de 80 por um fazendeiro, o Argentinossauro recebeu o nome do país por conta do seu imenso tamanho. Na ocasião da sua descoberta, contudo, poucos fósseis foram escavados, o que dificultou a sua reconstrução. Veja abaixo o vídeo que mostra o dinossauro em movimento.

Tópicos: Ciência, Computadores, Dinossauros