São Paulo -- A empresa de pesquisas de mercado IHS fez as contas e concluiu que, neste ano, as vendas mundiais de smartphones e tablets devem totalizar 354 bilhões de dólares. A cifra é 3% maior que as vendas de todos os equipamentos eletrônicos de consumo, que devem somar 344 bilhões de dólares.

Para a IHS, eletrônicos de consumo são uma categoria ampla que inclui televisores, câmeras, equipamentos de áudio e aparelhos domésticos diversos (mas não inclui computadores). 

É a primeira vez que esse mercado é superado pelo de dispositivo móveis. Em 2012, as vendas de eletrônicos de consumo foram 30% maiores que as de smartphones e tablets. 

“O fato de apenas duas categorias de produtos gerarem mais receita para os fabricantes do que todo o mercado de eletrônicos de consumo ilustra a imensa popularidade dos smartphones e tablets”, diz, num comunicado da IHS, Randy Lawson, analista principal da área de semicondutores da empresa.

Nas contas da IHS, entre 2007 e 2013, a receita dos fabricantes correspondente aos smartphones e tablets multiplicou-se por nove. No mesmo período, a receita com eletrônicos de consumo cresceu apenas 1%.

“O mercado de eletrônicos de consumo tem andado de lado. Muitos dos principais tipos de produto nessa área têm tido pouco crescimento de vendas ou até declínio em receita nos últimos seis anos”, diz Lawson.

“Os consumidores simplesmente encontram mais valor na versatilidade e utilidade dos smartphones e tablets. Eles servem, agora, como dispositivos principais para tudo -- desde telefonemas, fotos, navegação, música e vídeo até condicionamento físico.”

“Por causa disso, dispositivos móveis inteligentes estão derrubando as vendas de produtos como câmeras digitais, filmadoras, navegadores GPS e players de música”, conclui.

A IHS prevê que o ritmo de crescimento das vendas de dispositivos móveis vai diminuir à medida que esse mercado amadurece. Neste ano, o crescimento ainda deve ser de 31%. Em 2014, deve se desacelerar para 18%.

As vendas de eletrônicos de consumo, no entanto, vão declinar no próximo ano, prevê a IHS. O resultado é que a receita com smartphones e tablets será 22% maior que aquela obtida com outros eletrônicos. Essa diferença vai aumentar gradualmente, chegando a 35% em 2017.

De 2013 a 2017, as vendas de eletrônicos de consumo devem cair 5%, reduzindo-se a 327 bilhões de dólares anuais. A IHS observa que o segmento de televisores, um dos maiores nessa área, experimentou um período de prosperidade entre 2007 e 2013. Esse período foi marcado pela transição dos aparelhos de tubo para os de tela plana.

Agora que essa transição está praticamente concluída, a receita com televisores tende a cair. Tecnologias emergentes -- como imagem 3D, televisores inteligentes e telas 4K Ultra HD -- parecem ser insuficientes para alterar substancialmente esse quadro.

Tópicos: Pesquisas de mercado, Pesquisas, Smartphones, Indústria eletroeletrônica, Tablets, Tecnologia, Tendências