São Paulo -  O governo do Rio de Janeiro convidou a Apple a abrir uma loja própria na capital fluminense, mas obteve um não como resposta.

O convite foi feito pelo secretário estadual da Cultura, Washington Fajardo, que procura apoio na iniciativa privada para revitalizar a Zona Portuária do Rio de Janeiro.

Fajardo tenta atrair lojas sofisticadas para a região, a fim de que elas ocupem prédios históricos na área e contribuam para atrair um novo perfil de público para a Zona Portuária.

De acordo com edição de hoje do jornal O Globo, o próprio CEO da Apple, Steve Jobs, teria enviado a negativa ao governo fluminense.

Segundo a publicação, Jobs argumentou que o Brasil tem políticas “malucas” de taxação de eletrônicos importados, o que torna o mercado pouco interessante para a Apple, a ponto de não justificar a abertura de uma loja própria.

Atualmente, a Apple comercializa seus produtos no Brasil por meio de revendedores autorizados, como a rede Fast Shop ou Fnac.

A Apple não comentou as informações divulgadas pelo governo do Rio.

Tópicos: Apple, Empresas, Tecnologia da informação, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Rio de Janeiro, Cidades brasileiras, Metrópoles globais, Steve Jobs, Personalidades, Empresários, Vendas