Los Angeles - Pelo menos 25% dos usuários de Facebook nos Estados Unidos falsificou seu perfil na rede social para ocultar sua verdadeira identidade, segundo um estudo realizado pela organização Consumer Reports e publicado nesta sexta-feira em seu site.

Essa percentagem era de apenas 10% em 2010, o que reflete um aumento da preocupação pela segurança das pessoas com sua conta na popular plataforma da internet.

"As pessoas estão tratando o Facebook com mais cautela", afirma o relatório para o qual foram consultados moradores de dois mil lares americanos e que também evidenciou um aumento dos problemas pelo uso dessa rede social.

Segundo o documento, 11% dos domicílios nos quais há pessoas que usam o Facebook afirmaram ter tido problemas no ano passado que foram desde dificuldades para acessar o perfil até inclusive ter sofrido algum tipo de assédio ou ameaça.

Esse número foi 30% superior em 2011 em relação a 2010, apesar de o relatório determinar que em alguns casos esse aumento ocorreu devido ao descuido do usuário na gestão de sua conta no Facebook.

Os dados do estudo indicaram que "há gente que compartilha coisas demais".

Pelo menos 4,8 milhões de pessoas usaram a rede social para anunciar seus planos de viagem, uma informação que potencialmente pode dar pistas a ladrões sobre quando assaltar sua casa e 4,7 milhões de usuários se posicionaram publicamente a respeito de uma doença ou um tratamento.

As referências sobre temas de saúde poderiam chegar a repercutir em como as seguradoras privadas avaliam o custo de uma apólice para um possível cliente no futuro, aponta o relatório.

Outra conclusão significativa é que 13 milhões de usuários do Facebook nos EUA jamais modificaram as opções de privacidade de seu perfil na rede social ou inclusive declararam não saber que era possível determinar como e com quem se compartilha a informação que publicam.

A organização estimou que em 2011 o Facebook fechou cerca de 800 mil contas na rede social criadas por menores de 13 anos, idade mínima para ser usuário legal dessa plataforma, apesar de calcular que 5,6 milhões de crianças ainda têm perfil no Facebook.

'A maioria dos pais que sabiam que seus filhos pré-adolescentes usavam Facebook não haviam falado com eles sobre as ameaças existentes na internet ou não tinham ficado seus amigos na rede social, enquanto um terço não fez nada para supervisionar as atividades de seus filhos', assegura o relatório.

O Facebook é a rede social mais popular da internet com mais de 900 milhões de contas ativas no mundo todo.

Tópicos: Estados Unidos, Países ricos, Facebook, Redes sociais, Empresas, Internet, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Empresas de internet