São Paulo – Você já ouviu uma música e ficou com ela na cabeça por minutos, horas ou até dias? Esse fenômeno é conhecido como earworm (algo como "verme de ouvido", em inglês). Um trecho de 15 ou 20 segundos é repetidamente reproduzido pelo seu cérebro. Mas por que isso acontece? Diversos cientistas já investigaram o motivo e eles descobriram algumas coisas.

As músicas que tendem a virar earworms têm algumas coisas em comum, apesar de experiências e memórias pessoais também estarem relacionadas a esse fenômeno. Passagens sonoras com intervalos musicais próximos têm mais chances de ficarem presas na sua cabeça. 

Um exemplo desse tipo de intervalo seria uma progressão cromática das notas dó, dó sustenido e ré. Ele pode ser encontrado no refrão da música Waterloo, do ABBA, de acordo com Lauren Stewart, diretora e fundadora do programa de Música, Mente e Cérebro na Goldsmiths, na Universidade de Londres.

Não é uma surpresa que músicas fiquem grudadas no nosso cérebro. A música surgiu muito antes da escrita e, por isso, era usada como método para memorização – o que professores de cursinho bem sabem.

No século XVIII, os earworms eram conhecidos como Piper's Maggot por músicos folk, numa comparação do trecho musical com um verme que entra em uma maça. 

Na década de 1920, o compositor Nicolas Slonimsky começou a criar padrões musicais para "ficar na mente e forçá-la ao mimetismo e à repetição". John Coltrane e Frank Zappa se inspiraram no trabalho de Slonimsky, compilado em um livro chamado "Enciclopédia de Escalas e Padrões Melódicos".

Mas o que causa o fenômeno do earworm? 

Gatilhos de earworms

Para que um earworm aconteça, algum desses fatores deve ocorrer: 

- Exposição repetida à música;
- Ouvir palavras de letras musicais;
- Ter lembranças de pessoas ou situações;
- Passar por algum tipo de estresse ou surpresa;
- Sonhar com algo que desperte uma música na sua memória;
- Ter momentos de distração mental;

Estes são os motivos apontados em uma pesquisa promovida pela psicóloga musical Victoria Williamson. "Sempre que tenho que me lembrar de um número de cartão, eu crio uma música para ele usando os números como letra", afirmou Victoria em uma palestra no Ted Med.

Já Lauren Stewart, diretora do programa Música, Mente e Cérebro no Goldsmiths, na Universidade de Londres, vê os earworms como coisas mais pessoais. "Trabalhamos com a hiótese de que as pessoas pegam os earworms ou para combinar ou para mudar o seu estado atual de excitação – ou uma combinação das duas coisas", afirma Lauren. 

Ela diz que se você precisar sair, mas se sente com preguiça, um earworm agitado pode surgir na sua cabeça para ajudar a cumprir a tarefa. O contrário também se aplica, ou seja, uma música grudenta pode acabar te acalmando. 

Como tirar uma música da sua cabeça

O neurologista Oliver Sacks escreveu em seu livro Musicophilia que um método que pode ajudar você a se livrar de uma música que ficou em loop na sua cabeça é cantando conscientemente a faixa toda. 

Musicas ficam presas na memória de trabalho porque são vistas como tarefas não completadas. Mascar chicletes ajuda, por interferir com esse tipo de memória. Músicas curativas podem ajudar também. Elas precisam ser similares à música que está na sua cabeça.

Resolver quebra-cabeças ou anagramas de cinco letras com dificuldade moderada pode ajudar a tirar a expulsar a música da sua memória recente. No entanto, eles não podem ser muito difícieis, pois você pode perder o interesse. Mas eles também não podem ser muito simples, já que não seriam capazes de te distrair ao ponto de esquecer a música.

Outra opção é ler um bom romance, caso você não queria andar por aí com quebra-cabeças a tira colo. Anagramas de cinco letras também ajudam a se livrar de earworms.

Músicas mais grudentas

Victoria também listou algumas das músicas mais sujeitas à criação de earworms. Ela elaborou uma lista com os seguintes exemplos de músicas que ficam na cabeça.

Alejandro – Lady Gaga

Bad Romance – Lady Gaga

Call me Baby – Carly Rae Jepsen

Single Ladies – Beyoncé

She Loves You – The Beatles

I Wanna Hold Your Hand – The Beatles

SOS – Rihanna

You Belong with Me – Taylor Swift

Tópicos: Ciência, Indústria da música, Arte, Música, Entretenimento, Neurociência