São Paulo – O novo smartphone Galaxy S7, da Samsung, chega aos Estados Unidos nesta semana. Com isso, as análises sobre o produto começaram a sair na imprensa internacional. EXAME.com reuniu os dados mais importantes sobre o produto, segundo a avaliação de publicações renomadas no segmento de tecnologia. O Galaxy S7 tem uma versão edge, com tela de bordas curvas, mas o foco do texto será na edição com tela plana.

Tela sempre ativa – O novo recurso do S7 foi bem recebido pela crítica. Deixar informações como horário e data sempre à mostra é uma característica conveniente do novo smartphone da Samsung. Segundo o Gizmodo, a tela sempre ligada não causou impacto negativo na duração da bateria. O site informa que o gadget aguentou dois dias de uso com uma única carga, mesmo exibindo constantemente as informações no display.  

O site Cnet conta que, além da tela sempre ligada ser útil para quem não usa relógios de pulso, o S7 pode exibir dois horários de fusos distintos para que você sempre saiba quando é hora de ligar ou mandar mensagens para alguém que está fora do país. 

Uma reclamação desse recurso, chamado em inglês de Always On, é que as opções de interfaces são restritas às oferecidas pela fabricante, na avaliação do site Tom's Guide. Outra, feita pelo site The Verge, é que não é possível ver o conteúdo das notificações sem despertar a tela totalmente, como acontece nos smartphones da Motorola. 

Câmeras – Se a câmera é o que mais importa para você em um smartphone e você está dividido entre o Galaxy S7 e o iPhone 6s, a opção da Samsung é a melhor. As fotos tiradas com o gadget da empresa sul-coreana se saíram consideravelmente melhores do que as tiradas com o produto da Apple em situações com pouca iluminação. "Por vezes, a câmera do Galaxy S7 produziu imagens brilhantes, afiadas e detalhadas e não hesitamos em contar com a câmera dele quando precisamos", segundo o The Verge. 

O Wall Street Journal também considerou a câmera do S7 excelente em relação à do iPhone. "Em dezenas de cliques, as fotos e vídeos feitos com o Galaxy S7 tinham uma gama dinâmica muito mais agradável, mostrando detalhes em lugares que o iPhone apenas deixa escuros, sem queimar os realces. Sem dúvida, é melhor levar consigo a câmera do Galaxy S7 do que a de qualquer outro", de acordo com o jornal. 

"A Samsung redefiniu como devemos pensar em fotografia em situações de baixa luz e câmeras de smartphones", escreveu o Tom's Guide. 

Em parte, a câmera se destaca por conta da tecnologia de autofoco chamada dual-pixel. A Samsung diz que ela dá ao smartphone recursos semelhantes aos de câmeras DSLR. Os pixels são focados individualmente, o que ajuda especialmente na hora de gravar um vídeo, já que é fácil para a câmera acompanhar as mudanças da cena e manter a qualidade da imagem.  

Performance – Devido à configuração topo de linha do Galaxy S7, a maioria dos sites não reportou problemas de fluidez do sistema. Mas o Gizmodo informa que, apesar de quase tudo funcionar bem, há um problema na performance do aparelho em relação à do iPhone 6s: a velocidade de abertura de apps pesados e de documentos detalhados. O dispositivo da Apple conseguiu realizar as tarefas com alguns segundos de vantagem. 

Divulgação/Samsung

Samsung Galaxy S7

S7: aparelho da Samsung mostra informações na tela o tempo todo

Fora isso, a proteção contra a entrada de água e o suporte para a expansão da memória por cartão microSD foram novidades elogiadas nas análises. 

Bateria – A bateria do S7 agora pode aguentar até um dia todo de uso intenso, segundo o Cnet, e o Tom's Guide também tem uma percepção semelhante. No teste de bateria do site, o aparelho aguentou navegação contínua na web via internet 4G por 8 horas e 43 minutos. O interessante, como nota o WSJ, é que o S7 vai de 0 a 100% de carga na bateria após passar menos de 90 minutos na tomada, ou seja, esse processo leva uma hora a menos do que em um iPhone 6s. 

Conclusão – Todas as análises estão em consonância ao afirmarem que o Galaxy S7 é o mais próximo que a Samsung já chegou de criar um smartphone perfeito com sistema Android. Mas o preço é alto e, por isso, a frase escrita pelo Cnet resume bem as conclusões dos sites consultados: "Não é barato, mas vale a pena".  

Tópicos: Google, Android, Comércio, iPhone, Smartphones, Celulares, iPhone e iPad, Empresas, Samsung, Indústria eletroeletrônica, Empresas coreanas, Empresas de tecnologia