São Paulo -- O Google se prepara para lançar a segunda geração dos óculos de realidade aumentada Google Glass. Numa nota publicada na rede social Google Plus, a empresa diz que o novo modelo vai aceitar lentes corretoras e filtros contra o sol. Terá, ainda, um fone de ouvido monofônico.

Como os relógios inteligentes, os óculos do Google funcionam como uma extensão do smartphone. Eles fotografam, filmam, reconhecem comandos falados e exibem informações numa minúscula telinha.

O Google Glass 2 deve ser lançado ainda neste ano. Quem comprou o modelo de primeira geração terá a chance de trocá-lo pelo novo. E o Google vai permitir que cada um desses primeiros usuários (chamados pela empresa de exploradores)  indique três amigos para quem tenham a chance de comprar um Google Glass.

Isso deve multiplicar por quatro a base de usuários desses óculos high tech. Nesta semana, o jornal Financial Times noticiou que o Google aumentou expressivamente o volume de produção do Glass. Agora, sabemos o motivo desse aumento.

O Google não diz quanto vai custar essa nova edição do gadget. Mas a maneira de entregá-lo vai mudar. Quem comprou um Glass da primeira geração teve de ir buscá-lo pessoalmente. Havia apenas três locais de entrega nos Estados Unidos. E a empresa se recusava a vender para quem não morasse naquele país.

Agora, a encomenda será feita na web e os óculos serão despachados para a casa da pessoa. Mas o Google não diz se as vendas continuarão restritas aos Estados Unidos ou se serão expandidas para outros países.

Uma página no site do Google Glass informa apenas que “no momento, o Glass está aprovado para uso nos Estados Unidos”. Este vídeo do Google mostra cenas dos 50 estados americanos captadas por usuários do Google Glass:

Tópicos: Google, Android, Computação vestível, Gadgets, Indústria eletroeletrônica, Empresas, Tecnologia da informação, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Empresas de internet, Google Glass, Óculos