Aguarde...

Protesto | 24/08/2012 17:35

Game em apoio ao Pussy Riot faz sucesso

O game é uma versão anti-Kremlin do famoso game "Angry Birds"

Reprodução

Imagem de reprodução do game Angry Kremlins

Imagem de reprodução do game Angry Kremlins: o jogo, disponível neste site, já foi acessado mais de 50.000 vezes, principalmente na Rússia

Tallin - Uma versão anti-Kremlin do famoso game "Angry Birds" foi criada por um estoniano para protestar contra a condenação a dois anos de prisão das três integrantes do grupo punk russo Pussy Riot, opositoras do presidente russo, Vladimir Putin.

Magnus Vulp, criador do game "Angry Kremlins", afirmou que queria chamar a atenção para o destino das três cantoras, cuja condenação em Moscou ocasionou uma onda de protestos em todo o mundo.

Em sua paródia do "Angry Birds", o game mais famoso do mundo para smartphones, Vulp convida os jogadores a disparar contra rebeldes, que se parecem com as Pussy Riot, com projéteis com a forma da cabeça de Putin e do patriarca ortodoxo russo Kiril.

O jogo, disponível neste site, já foi acessado mais de 50.000 vezes, principalmente na Rússia e nos três países bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia), ex-repúblicas soviéticas que mantêm relações tensas com Moscou.

Um tribunal de Moscou condenou na sexta-feira passada a dois anos de prisão as três integrantes do grupo de punk rock Pussy Riot, que enfureceram o Kremlin e atraíram as atenções do mundo todo por fazer uma "oração" ridicularizando o presidente Vladimir Putin na principal igreja da Rússia.

Maria Alyokhina, Nadezhda Tolokonnikova e Yekaterina Samutsevich foram acusadas de "vandalismo motivado por ódio religioso" por sua performance do dia 21 de fevereiro.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados