São Paulo - A Warka é uma frondosa figueira, nativa da Etiópia. Tradicionalmente conhecida como símbolo de fertilidade e generosidade, a árvore também se tornou local de encontro para moradores de muitos vilarejos africanos.

Inspirado pela forma exuberante da Warka, o artista italiano Arturo Vittori criou uma imensa estrutura que produz água através da condensação do vapor.

A WarkaWater Tower é feita com hastes de bambu e junco entrelaçadas, que formam a base da torre.

No interior, uma malha de plástico de fibras de nylon e polipropileno funciona como microtúneis ou poros para a condensação.

A medida que as gotas de água se formam, elas fluem através da malha e se depositam no recipiente na base da torre.

A WarkaWater Tower consegue fornecer quase 100 litros de água potável por dia.

A ideia de Vittori é que pelo menos duas torres sejam instaladas em vilarejos da Etiópia em 2015. Segundo estudo das Nações Unidas, o país é o que tem a menor disponibilidade de água no mundo e a de pior qualidade.

Geralmente são as mulheres, que caminham longas distâncias e muitas horas, para conseguir água para o consumo da família.

Crianças também participam destas viagens diárias – difíceis e perigosas. Muitas vezes a água encontrada é contaminada e insalubre.

O artista italiano acredita que as torres possam ser feitas pelas próprias comunidades, com material disponível localmente, tornando este um projeto sustentável e de longo prazo.

A WarkaWater Tower leva em média uma semana para ser construída por um grupo de quatro pessoas.

Tópicos: Inovação, ONU, Sustentabilidade, África, Água