São Paulo - O Facebook Messenger chegou a mais de 1 bilhão internautas após a empresa liderada por Mark Zuckerberg dividir o seu aplicativo para smartphone em dois, separando bate-papo e linha do tempo.

A medida foi tomada em prol de um melhor gerenciamento de energia e memória dos aparelhos. Entretanto, as permissões de uso deste app que passou ocupar diversos celulares em todo o mundo normalmente são puladas sem terem sido lidas com o devido cuidado.

Assim como o aplicativo principal da rede social, o Facebook Messenger precisa de diversas permissões para funcionar em um smartphone. Por exemplo, nenhum app que precisa de conexão com a internet iria funcionar corretamente se não pudesse fazê-lo. Entenda a seguir o que esse aplicativo realmente precisa para funcionar, como indica o Android Central.

Ligações telefônicas

À primeira vista, pode parecer que o Facebook quer acesso a sua linha telefônica e pode realizar chamadas no momento que quiser. Não é bem assim. Essa permissão é concedida porque o Messenger possui um recurso antigo que permite realizar chamadas de voz via internet, assim como faz o Viber.

Além disso, se a outra pessoa compartilhou o número de telefone com o Facebook, por medida de segurança, você pode iniciar uma chamada sem sair do aplicativo para isso. Portanto, sim, a chamada é feita automaticamente pelo app, mas ele precisa da permissão de fazer ligações e isso pode gerar custos, seja de 3G, seja de uma chamada telefônica comum. Não é diferente do que acontece com o Hangouts, por exemplo.

SMS 

O acesso aos SMS precisa ser concedido pelo usuário para usar o Facebook Messenger. Isso acontece porque a rede social envia uma mensagem de texto para confirmar o seu número de telefone. O app também precisa acessar os seus contatos, uma vez que pode enviar SMS ou MMS para quem não está no Messenger, e, portanto, a solicitação para visualizar os seus contatos é feita pelo app, bem como a habilidade de ler e editar SMS e MMS. Só haverá cobrança no caso de o usuário enviar uma mensagem de texto para o número de celular de um contato.

Câmera

O Messenger tem recursos para gravar vídeo, bater fotos e enviá-los aos seus contatos, assim como faz o WhatsApp. Sendo assim, tanto um como o outro precisam acessar a sua câmera e a sua galeria de fotos. Caso contrário, não seria possível usar o app em sua totalidade.

Microfone

Lembra-se das mensagens de voz? O acesso ao microfone precisa ser concedido para que o envio delas seja possível. A permissão também é usada para as chamadas de voz.

Localização

Praticamente todos os aplicativos de redes sociais solicitam a localização dos usuários. Com isso, o local em que você está pode ser compartilhado com a pessoa com quem você está conversando, o que pode evitar (ou gerar) a pergunta “onde você está?”.

Ler lista de contatos, histórico de chamadas e seu SIM card

O Facebook Messenger tem um recurso que permite a sincronização de contatos para criar uma agenda telefônica com links para a rede social. Além disso, vale lembrar que o app inicia e faz ligações telefônicas — sem SIM card, sem chamadas.

Visualizar, modificar e apagar conteúdos do cartão microSD

Em vez de fazer o download de todas as fotos dos seus amigos, por exemplo, o Facebook Messenger, assim como o app principal da rede social, grava informações no cartão microSD do smartphone do usuário. Isso agiliza o uso do aplicativo e poupa o consumo de internet. Essa permissão também engloba a memória interna do seu aparelho, caso ele não tenha um cartão micro SD.

Encontrar contas no dispositivo

O Facebook é tradicionalmente usado para fazer login em diversos serviços, como, por exemplo, o Secret, o Feedly e até mesmo o ICQ. Sendo assim, a rede social precisa de acesso às contas do seu aparelho.

Mudar configurações de conectividade de rede, baixar arquivos sem notificação, acesso completo à rede, receber dados da internet, visualizar redes de conexão e visualizar conexões Wi-Fi

Todos esses itens referem-se a comunicação do Facebook com a internet. O que vale menção é o download de conteúdos sem aviso prévio. Essa permissão é solicitada para que a atualização do app seja automática, algo que pode ser considerado, de certa forma, invasivo.

Há também outras permissões menos importantes (e também mais claras). O app precisa estar aberto a todo momento para exibir um notificação quando ela chegar; ele precisa poder aparecer sobre outros aplicativos e criar atalhos por causa das Chat Heads (as bolinhas com fotos de quem mandou uma mensagem); controle sobre a vibração para notificar uma nova interação; e, por fim, o aplicativo precisa saber o que está acontecendo em background no seu smartphone, visto que a atualização do Messenger acontece lá.

O Facebook disse recentemente ao The Wall Street Journal que a preocupação com as permissões de uso entre os usuários é exagerada, visto que a empresa não tem intenção de usar de forma indevida recursos de nenhum smartphone que contenha o Messenger.

A rede social diz ainda que precisa obedecer às rígidas políticas da Google Play, ou seja, não é possível criar descrições apropriadas e detalhadas por conta própria descrevendo o que o aplicativo, de fato, fará, uma vez que é obrigatório o uso de uma linguagem genérica.

Além disso, enquanto os donos de iPhones e iPads podem optar por mais privacidade, os usuários dos aplicativos Android precisam aceitar todas as permissões de uso de uma vez para todos os recursos que um app possa oferecer. Um exemplo é o uso do microfone: se ele nunca for usado no iPhone, nunca a permissão precisará ser concedida.

O mesmo vale para a câmera e para a galeria de fotos. Ou seja, o Facebook Messenger utiliza o mesmo conjunto de permissões que os outros apps da rede social.

Contudo, especialmente os usuários de dispositivos Android devem ficar atentos às permissões solicitadas por um aplicativo. Um exemplo é o Brightest Lantera Grátis. Sua única função é iluminar ambientes usando o flash do aparelho. Entretanto, o uso do serviço requer itens como a sua localização. Veja abaixo.


Para esclarecer o caso das permissões do aplicativo, o Facebook chegou a criar uma página específica que destrinchar item por item para que os usuários saibam o que o Messenger realmente faz em seus smartphones e por quais motivos.

Vale notar que 72% dos 87 milhões de brasileiros com perfil no Facebook o acessam por meio de dispositivos móveis.

Então, você pode até mesmo desinstalar o Facebook Messenger e o app principal do seu dispositivo móvel, caso não concorde com o descrito acima.

Mas vale lembrar que o Hangouts, que é parte do Android, tem permissões de uso semelhantes e o mesmo vale para o Skype, parte do Windows Phone. E a Apple também monitora, de certa forma, a localização dos iPhones por conta do Find My Phone.

Tópicos: Celulares, Indústria eletroeletrônica, Facebook, Redes sociais, Empresas, Internet, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Empresas de internet, INFO, Smartphones