São Paulo – Após comprar a empresa por 2,91 bilhões de dólares em 2014, a Lenovo vai matar a marca Motorola. Gradualmente, o nome será substituído por "Moto".

O anúncio foi feito por Rick Osterloh, chefe de operações da Motorola, durante a feira tecnologia CES 2016, que acontece nesta semana em Las Vegas. 

Segundo o site Cnet, as empresas devem começar um processo de unificação de marca vendendo smartphones "Moto by Lenovo", em uma tentativa da Lenovo de aumentar sua importância no mercado de dispositivos móveis nos Estados Unidos.

O logotipo com a letra "M" da Motorola continuará presente nos próximos smartphones que serão lançados. 

A iniciativa de tirar a marca da Motorola do mercado contradiz a declaração de 2014 do CEO da Lenovo, Yang Yuanqing. "Nós planejamos não só proteger a marca da Motorola, mas torná-la ainda mais forte", declarou o CEO, que, aparentemente, mudou de ideia.

Ao longo de sua história, a Motorola teve famílias de smartphones de sucesso, como Startac, Razr e Moto. O aparelho mais vendido da empresa era o Razr V3 até ser superado pelo Moto G, lançado no final de 2013 e atualmente em sua terceira geração.

Os primeiros integrantes da linha Moto foram lançados quando a empresa pertencia ao Google. Moto G e Moto X chegaram ao mercado brasileiro com preços baixos. O Moto G, por exemplo, chegou por 650 reais e com configuração de hardware semelhante à do Galaxy S4 Mini, que custava o dobro do preço. 

A estratégia da Motorola desde essa época é oferecer dispositivos com sistema Android com poucas modificações, o que ajudou a companhia a oferecer atualizações de software com agilidade no começo – mas a empresa agora leva alguns meses para lançar updates, como o do Moto X Play, que chegou recentemente, sendo que o sistema foi lançado em novembro. Algo que foi motivo de reclamação de consumidores é que o aparelho Novo Moto E, lançado no ano passado, não recebeu nenhuma atualização de sistema.

A Lenovo não informou se vai continuar a seguir a estratégia de realizar poucas alterações no Android no longo prazo. Osterloh, entretanto, disse que a Lenovo vai continuar a lançar smartphones das linhas Moto atuais.

Atualização 11h25: A Motorola Brasil enviou o seguinte comunicado a EXAME.com, apesar da declaração de Rick Osterloh: "A Motorola Mobility continua a existir como parte do grupo Lenovo, liderando as áreas de engenharia e design de todos os nossos produtos móveis. Como estratégia de marketing, a empresa segue globalmente com duas marcas em smartphones e wearables:  Moto e Vibe. O nome Motorola não tem sido usado em seus produtos desde o lançamento da primeira geração do Moto X, em 2013."

Tópicos: Google, Android, Empresas, Motorola, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Smartphones, Indústria eletroeletrônica