São Paulo - Uma startup australiana chamada Flirtey quer transformar os temidos drones, veículos aéreos não tripulados usados pelo governo americano, ferramentas para levar conhecimento aos cidadãos do país. Com a ajuda de outra empresa, a livraria virtual Zookal, a startup irá usar os drones para entregar livros diretamente na casa dos consumidores.

Em cerca de três minutos, o drone é capaz de levar a encomenda até as mãos do cliente. Ao se aproximar do destino, ele irá se aproximar do solo para deixar o pacote, que estará preso a um cabo retrátil.

Através de um app para smartphones e tablets, o consumidor poderá ter acesso ao GPS do drone, que o informará sobre o status da entrega e permitirá a realização do pedido. “O drone conta com um sistema anticolisão, que evitará o seu choque contra pássaros e outros obstáculos”, explicou Ahmed Haider, cofundador da Flirtey e CEO da Zookal

De acordo com Haider, a ideia de usar este tipo de veículo é tornar mais rápida a entrega de produtos. Segundo ele, é possível levar uma encomenda para a casa do cliente em até três minutos. O envio por vias convencionais leva entre dois e três dias úteis.

Outra vantagem do uso do drone neste tipo de procedimento, explicou o também cofundador da Flirtey, Matthew Sweeney, é a redução de custos. “Na Austrália, entregas realizadas em apenas um dia custam entre 8 e 20 dólares. Com o drone, conseguimos reduzir muito este valor.”

A esperança da startup é impulsionar a indústria civil em torno deste tipo de equipamento no mundo inteiro, mas a partir da Austrália. O país é um dos pioneiros na regulamentação do uso comercial dos drones e graças ao apoio da Autoridade de Segurança para a Aviação Civil (CASA), entidade do governo australiano responsável por manter em ordem este setor.

Veja no vídeo abaixo, em inglês e sem legendas, o drone em ação.

Tópicos: Apps, Drones, Tecnologia