São Paulo - Tablets e smartphones Android são responsáveis por 66% do total de vendas de e-commerce no mundo, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça, 24, pela Criteo.

O relatório analisa a publicidade móvel e o impacto das propagandas da empresa sobre o comércio eletrônico com 924 milhões de usuários únicos de Internet (de acordo com dados da comScore de março de 2014).

A pesquisa diz ainda que 70% dos acessos móveis ao e-commerce são para varejo, viagens, automóveis e classificados.

A grande maioria (90%) dos cliques móveis é proveniente da América do Norte, Ásia/Pacífico e Europa Ocidental.

Apesar de ter o domínio do mercado global em vendas geradas pelo aparelho com 65,9% (contra 32,5% para iOS e 1,7% para outros), o Android perde para o iOS nos Estados Unidos e Europa.

O sistema da Apple tem 51,1% do mercado nessas regiões, contra 46,6% para o Android e 2,2% para outros.

A Criteo indica ainda que a taxa de cliques (CTR, na sigla em inglês) de dispositivos Android tem uma média quase duas vezes maior do que a de computadores.

Os aparelhos com o sistema do Google têm 190 de CTR, enquanto PCs têm 100 de CTR. Em comparação, o iPad e o iPhone têm 155 de CTR cada.

Isso significa que a publicidade, segundo a empresa, pode aumentar as conversões (ou seja, a concretização de compras após os cliques nos banners) ao construir sites otimizados para dispositivos móveis que possam encorajar o usuário a comprar produtos após clicar nas propagandas.

De acordo com a pesquisa, os dispositivos móveis substituem e até complementam o uso dos computadores para realizar compras.

A Criteo diz que as compras provenientes de um iPad são "16% mais prováveis de acontecer em um domingo, enquanto as vendas de desktop caem 10%" nesse mesmo período.

Além disso, os consumidores têm gastado mais com plataformas móveis: as reservas de hotel (US$ 364,80), aluguel de carros (US$ 209,10) e compras de vestuários (US$ 105,30) têm médias maiores nesses dispositivos.

Tópicos: Google, Android, Comércio eletrônico, Smartphones, Indústria eletroeletrônica, Teletime