São Paulo – Você já se perguntou por que fecha os olhos quando beija outra pessoa? A ciência sim e pode ter encontrado a resposta para essa questão. Segundo um estudo da Universidade de Londres, na Inglaterra, as pessoas fecham os olhos para manter o foco na tarefa que estão realizando. 

Isso significa que o cérebro tem dificuldade em processar um sentido ao mesmo tempo em que tem um estímulo visual. “Já se sabia que o aumento das exigências de uma tarefa visual poderia reduzir a atenção em estímulos visuais e auditivos”, explica Sandra Murphy, uma das autoras do estudo, em uma entrevista ao jornal inglês The Independent.

Contudo, para chegar a essa conclusão “romântica”, os cientistas não analisaram casais se beijando. Na realidade, o foco da pesquisa era entender como os alertas táteis (aqueles que vibram para chamar a atenção da pessoa) dos carros funcionam para o ser humano.

Um exemplo de alarme tátil é o protótipo de assento automotivo da Universidade Yale, nos EUA, que vibra para avisar que a pessoa está em perigo. Aliás, os pesquisadores descobriram que esses alertas são ignorados pelo motorista se ele está concentrado na estrada.

Os voluntários participaram de várias tarefas visuais enquanto seu senso de toque era analisado. Eles completaram atribuições de diferentes níveis de dificuldade e precisaram responder a pequenas vibrações que foram aplicadas em suas mãos.

Foi a partir dessa pesquisa, publicada no Jornal de Psicologia Experimental: Percepção Humana e Performance, que os cientistas notaram que as pessoas estavam mais sensíveis ao tato quando seus olhos estavam fechados.

“Esses resultados podem explicar por que fechamos os olhos quando queremos focar em outro sentido”, disse Polly Dalton, professor de psicologia cognitiva da Universidade de Londres, ao The Independent. “Ao desligarmos o estímulo visual, podemos nos concentrar em outros aspectos mentais da nossa experiência”.

Desse modo, essa pesquisa vai muito além de uma possível explicação do porquê as pessoas beijam de olhos fechados.

Tópicos: Ciência