São Paulo - A agência de notícias chinesa Xinhua divulgou, este final de semana, que cinco pessoas foram presas na China acusadas de aliciar um jovem de 17 anos a vender seu rim.

O caso ocorreu em 2010 quando um garoto identificado como Zheng aceitou vender seu rim em troca de 22 mil iuanes, o que equivale a cerca de sete mil reais. Na época, o jovem usou o dinheiro para comprar um iPad e um iPhone.

Após ganhar o mundo pelo caráter bizarro (e um tanto desumano), a história de Zheng voltou ao noticiário após sua mãe revelar que o garoto, que vive numa província pobre do interior do país, agora está doente e sofre de insuficiência renal.

O caso gerou comoção na China onde há milhões de pessoas doentes em função da venda de órgãos como rins e córnea. Até 2007 não havia leis contra o comércio de órgãos humanos no país. O governo central, no entanto, reagiu ao clamor popular e decidiu investigar o caso de Zheng.

Segundo a agência Xinhua, que é controlada pelo Estado, cinco pessoas foram presas esta semana acusadas de intermediar a negociação e tornar viável a cirurgia que extraiu um órgão de Zheng. Entre os presos está um médico acusado de receber 70 mil iuanes para realizar a operação, valor dez vezes superior ao recebido pelo jovem.

Os cinco suspeitos podem ser condenados a até 20 anos de prisão se forem condenados pelo crime de colaborar com o tráfico de órgãos humanos.

Tópicos: Ásia, China, Apple, iPad, Tablets, iPhone e iPad, iPhone, Smartphones, Celulares