São Paulo - Após mostrar os dois novos iPhones 6 e 6 Plus, a Apple aproveitou o evento para anunciar a criação de um novo sistema de pagamento, o Apple Pay.

O sistema visa acelerar e simplificar os pagamentos feitos usando cartões de crédito, em processo descrito como demorado e “burocrático” por Tim Cook, o CEO da empresa.

O funcionamento é simples. De acordo com um vídeo mostrado na apresentação, basta aproximar um dos novos iPhones, com o sistema que já vem instalado, de um equipamento específico para realizar o pagamento.

Eddie Cue, VP de softwares de internet e serviços da empresa, disse que o sistema aproveita o NFC (agora integrado aos novos aparelhos) e o Touch ID dos dois dispositivos para realizar as transações.

De acordo com Cue, o novo sistema será compatível com os cartões da American Express, MasterCard e Visa, e as informações ficarão armazenados pela empresa.

A Apple diz que não os acessará de forma alguma e os manterá os dados protegidos, mas os escândalos recentes envolvendo a segurança do iCloud indicam que isso é algo que vale ser discutido.

O Apple Pay já poderá ser usado em 220 mil comércios nos Estados Unidos – incluindo Subway, McDonalds, DisneyWorld e as próprias lojas da Apple –, todos prometendo compatibilidade com equipamentos de pagamentos pelo smartphone até o final do ano.

Uma API do sistema será disponibilizada em breve para desenvolvedores criarem mais aplicativos compatíveis.

O Apple Pay, que será compatível também com os novos Apple Watches, entrará no iOS8 como uma atualização gratuita e será lançado no mês que vem nos Estados Unidos – mas a ideia é espalhá-lo pelo resto do mundo futuramente.

Tópicos: Apple, Empresas, Tecnologia da informação, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, INFO, Lançamentos, Meios de pagamento, Tecnologia