Aguarde...

Pesquisas | 22/03/2012 11:44

Após incêndio, USP avança em pesquisa na Antártica

Pesquisadores identificaram uma estrutura glacial fundamental para esclarecer a história paleoclimática do continente

Elton Alisson, da

Agência Brasil

Estação brasileira Antártica Comandante Ferraz

A pesquisa que os cientistas executaram não dependia da estação brasileira, mas lamentaram muito as perdas

São Paulo - Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram uma estrutura glacial fundamental para esclarecer a história paleoclimática da Antártica durante o período Mioceno (há cerca de 15 milhões de anos).

A estrutura – denominada pavimento de clastos glacial – comprova ter havido um período de expansão do manto de gelo da Antártica Ocidental, após o intervalo de aquecimento, denominado Ótimo Climático do Mioceno, quando se estima que o manto de gelo antártico começou a se expandir.

Os detalhes do estudo serão apresentados em julho durante a conferência bienal do Scientific Committee on Antarctic Research (Scar), que será realizada em Portland, nos Estados Unidos.

“O pavimento documenta um importante evento paleoclimático da Antártica Ocidental durante o Mioceno”, disse Antonio Carlos Rocha Campos, professor do Instituto de Geociências da USP e coordenador do projeto. Rocha Campos conduziu projetos apoiados pela Fapesp, entre os quais o Temático “Controles tectônico, climático e paleogeográfico das características, gênese e preservação de depósitos glaciais pré-cenozoicos do Brasil”.

De acordo com o pesquisador, a estrutura encontrada fornece a evidência cabal e irrefutável de que o continente antártico passou por uma fase de glaciação há cerca de 10 milhões de anos, após um período de aquecimento há cerca de 15 milhões de anos.

O pavimento de clastos glacial (fragmentos de rochas) é produzido pela ação de geleiras. Ao deslizarem sobre a superfície na qual se encontram, elas arrastam consigo fragmentos de rocha de diversas formas e tamanhos, que são incorporados ao gelo. O pavimento tem origem na liberação dos fragmentos de rochas, que são realojados subglacialmente (abaixo da camada de gelo) e erodidos durante o avanço da geleira, resultando em uma espécie de calçada de pedras.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados