Em breve a Airbnb concederá às pessoas que alugam quartos e residências pelo site uma maneira melhor de descobrir como os estrangeiros que aparecem em seus imóveis estão se comportando.

Uma nova ferramenta permitirá que os vizinhos intercedam, com feedbacks sobre os imóveis da redondeza listados no site da Airbnb, disse Yasuyuki Tanabe, diretor-presidente da Airbnb no Japão, em um painel do governo em Tóquio, na segunda-feira. O recurso será lançado globalmente em algumas semanas, disse ele.

Não é coincidência que a Airbnb tenha escolhido lançar o recurso no Japão, mercado de mais rápido crescimento da empresa para turistas.

A explosão do turismo no arquipélago criou uma escassez de quartos de hotéis e gerou mais de 30.000 ofertas até fevereiro, mas os aluguéis da Airbnb estão causando atritos em áreas residenciais onde os vizinhos vivem muitos próximos, muitas vezes em residências separadas por centímetros.

“Uma das questões mais importantes enfrentadas pela economia de partilha é a forma como as pessoas que escolhem fazer parte disso coexistem com aquelas que não o fazem”, disse Tanabe, no fórum público. “Nosso primeiro passo nessa direção é dar aos vizinhos a oportunidade de comentar ou reclamar”.

O recurso, que deverá estrear no mês que vem, permitirá que os vizinhos insiram comentários em um formulário on-line. O feedback será avaliado pela equipe de atendimento ao cliente da Airbnb, que então tomará as medidas necessárias.

A Airbnb não informou se a informação será tornada pública nem se a identidade dos vizinhos será revelada.

Distâncias prudentes

O serviço de rápido crescimento da Airbnb às vezes coloca vizinho contra vizinho e proprietário contra locatário. As cidades não sabem ao certo como regular a startup, cuja última avaliação foi de US$ 25,5 bilhões.

A cidade de Nova York tem examinado atentamente a Airbnb e adotou medidas para fazer os locatários comerciais recuarem.

São Francisco, cidade de origem da Airbnb, rejeitou em uma votação apertada uma iniciativa que teria restringido a partilha de residências na cidade.

Em todo o mundo, vizinhos de residências listadas no Airbnb têm reclamado das festas que atraem locatários barulhentos durante grandes eventos esportivos.

A audiência do governo realizada nesta segunda-feira, em Tóquio, teve por objetivo discutir uma reforma regulatória do serviço de partilha de residências no Japão.

Recentemente, os governos locais começaram a ratificar as diretrizes do primeiro-ministro Shinzo Abe para regular o serviço, medida que deixou alguns anfitriões da Airbnb preocupados.

Tanabe discutiu diversas iniciativas para a Airbnb no Japão. A empresa coletará impostos dos anfitriões e introduzirá um serviço no idioma japonês para se comunicar com a polícia, disse ele.

Além disso, criará um sistema para retransmitir rapidamente informações a respeito de desastres ou surtos de doenças.

Tópicos: Airbnb, Turismo online, Empresas, Apps