São Paulo - Fotos tiradas na cidade costeira de Santa Teresita, em Buenos Aires, e divulgadas nas redes sociais está causando indignação na internet.

Nelas, vemos um grupo de banhistas passando, de mão em mão, um filhote de golfinho que teria sido retirado da água apenas para alimentar a curiosidade das pessoas. Várias, inclusive, aproveitaram o momento para tirar selfies com o animal.

Segundo a ONG conservacionista WWF, o golfinho não resistiu e morreu. Suspeita-se que o animal já estivesse ferido por uma rede de pesca, o que o deixou ainda mais vulnerável.

A ONG aproveitou o ocorrido para informar o público sobre a necessidade urgente de devolver esses golfinhos ao mar ao invés de trazê-lo para terra. Também é vital que as pessoas informem as autoridades responsáveis pelo resgate desses animais.

O golfinho franciscana (Pontoporia blainvillei) é um dos menores do mundo, tem entre 1,30 e 1,70 m de comprimento. Sua pele, de tons marrons, lembra o hábito dos monges franciscanos, daí o seu nome.

A espécie é encontrada apenas na Argentina, Uruguai e Brasil e, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), é vulnerável de extinção, principalmente devido à caça predatória.

Como outros golfinhos, o franciscana não pode permanecer muito tempo fora da água, disse a WWF em comunicado. Sua pele muito grossa e gordurosa fornece calor, mas fora da água, o tempo quente causa desidratação e o leva à morte rapidamente.

De acordo com o jornal argentino Clarín , Ayelen Rodriguez, uma mulher que estava na praia naquele dia disse que pediu às pessoas para parar de tocá-lo e devolvê-lo ao mar, mas foi ignorada.

Ainda segundo o jornal, a fundação Mundo Marino enviou uma equipe de resgate ao local, mas quando chegaram lá, o animal já tinha sumido. Eles não sabem dizer se o golfinho estava vivo ou não quando quando foi retirado do mar pelos banhistas.

Tópicos: Animais, Animais em extinção