"Ground control to Major Tom"

São Paulo – Após quase um ano no espaço, três astronautas da Estação Espacial Internacional (ISS) retornaram à Terra hoje (2). O americano Scott Kelly e o russo Mikhail Kornienko passaram 340 dias na ISS, enquanto Serguei Volkov esteve a bordo por mais de cinco meses.

A estadia prolongada de Kelly é parte de uma missão de um ano da Nasa para entender como um voo espacial de longa duração muda o corpo humano. Afinal, a agência espacial quer enviar astronautas para Marte até 2030 e precisa saber como eles irão conviver com os efeitos fisiológicos e bioquímicos de uma viagem que irá durar cerca de 30 meses.

Durante os quase 12 meses em que ficou em órbita, Kelly coletou sua urina e seu sangue e enviou para os cientistas da Nasa. Com essas substâncias em mãos, eles conseguiram conduzir alguns experimentos.

Um deles está relacionado com o irmão gêmeo de Kelly, o astronauta aposentado Mark Kelly. Eles analisaram (e continuarão a estudar) como o DNA de Scott, seu sistema imunológico e seu desempenho cognitivo mudaram em relação aos de Mark, que passou todo esse tempo em terra firme.

Apesar de a missão já ter sido longa, ela ainda não acabou para Kelly. Os pesquisadores continuarão a estudar o seu corpo para ver se um ano no espaço o tornou diferente fisiologicamente e psicologicamente.

A Nasa ainda não divulgou todas as suas descobertas sobre a missão. No entanto, especialistas já sabem que um ano no espaço pode mudar o corpo do ser humano drasticamente. Veja a seguir sete transformações que acontecem no sistema biológico de uma pessoa após passar tanto tempo em órbita.

Tópicos: Astronautas, Espaço, Ciência, Medicina, Saúde