1. Vacinas causam autismo.

O estudo que propôs essa ligação já foi há muito desbancado pela comunidade médica e hoje é tido como uma das maiores fraudes da história da medicina. Milhares de crianças foram submetidas a testes e nenhuma ligação entre autismo e vacinas foi encontrada.

2. Vacinas proporcionam 100% de proteção.

As vacinas com a maior taxa de proteção chegam a cerca de 95% de efetividade, e não mais do que isso.

3. As crianças recebem mais vacinas do que seu sistema imunológico pode aguentar.

O sistema imunológico de uma criança é capaz de responder a cerca de 100 bilhões de antígenos ao mesmo tempo. A vacina tríplice viral, por exemplo, contém 24 antígenos.

4. Como a maioria das doenças evitáveis por vacinas está sumindo, as vacinas não são mais necessárias.

Graças à chamada imunidade de rebanho (entenda nas ilustrações), algumas doenças necessitam de um nível de vacinação alto para que não se espalhem. O sarampo, por exemplo, precisa que 95% da população seja imunizada para que não se propague.

5. Vacinas enfraquecem o sistema imunológico.

As vacinas são desenvolvidas para fortalecer o sistema imunológico, e não o contrário.

6. Vacinas são 100% seguras.

Nada na medicina é 100% seguro. Até o mais inofensivo dos medicamentos pode causar efeitos colaterais. A maior parte deles, no caso das vacinas, são brandos. Mas isso não é regra.

7. A imunidade conferida pela contração da doença é melhor do que a imunidade vacinal.

Apesar da imunidade conferida pela doença ser, de fato, mais "potente", os riscos que se corre contraindo-a são bem maiores que os possíveis riscos de uma vacina.

Tópicos: Médicos, Saúde, Vacinas