Não, a internet não está matando o livro impresso

Mesmo com todos os recursos digitais do mundo moderno, os livros impressos continuam muito mais populares do que os e-books nos Estados Unidos

São Paulo – Atenção, estrategista. Pode tirar o cavalinho da chuva.

Sabe aquela quase certeza que o e-book vai acabar com o livro impresso? Uma pesquisa publicada nesta semana pelo Pew Research Center parece abalar essa “máxima”.

Mesmo com todos os recursos digitais do mundo moderno, os livros impressos continuam muito mais populares do que os e-books nos Estados Unidos, um dos maiores mercados consumidores.

Desde 2012 praticamente não há uma variação expressiva no universo de consumidores de livros por lá.

Isto é, se naquele ano 74% dos americanos afirmaram ter lido uma obra nos últimos 12 meses, em 2016 esse número chega a 73%. Praticamente a mesma coisa.

Vale lembrar, contudo, que, em 2011, esse indicador atingia 79%.

E, quando um americano decide comprar um livro, é muito mais provável que ele o faça no formato impresso, ao invés do digital.

Ou seja, 65% ainda preferem o livro impresso, enquanto 28% adquirem o e-book e 14% o áudio-book.

E tem mais: quem decide ler um livro no formato digital o faz muito mais no tablet ou smartphone do que em um dispositivo apenas para ler e-books, como é o caso do Kindle tradicional.

Segundo o Pew Research Center, a parcela de leitores nos tablets praticamente triplicou em relação a 2011 e que a fatia desses consumidores nos smartphones dobrou sobre aquele ano.

A pesquisa foi feita por telefone com 1.520 adultos americanos, entre 7 de março e 4 de abril de 2016. 

Ah, e antes que você pergunte: os americanos leem uma média de 12 livros por ano.

De acordo com o centro de pesquisa, esse número também não mudou muito desde 2011.

Já no Brasil, em uma pesquisa de metodologia diferente, o Instituto Pró-Livro constatou que, em 2015, a média de obras lidas pelo brasileiro é de quase 5 por ano. Em 2011, a média era de 4.