Misfit Shine

logo-infolab

Os dispositivos vestíveis, em sua maioria, tratam-se de relógios ou pulseiras. O Shine, da Misfit Wearables, ganhou destaque no IndieGoGo, em parte pela versatilidade, em parte pelo design inovador. Mais de 800 mil dólares foram arrecadados na campanha de financiamento coletivo, oito vezes mais do que a meta previamente proposta. O gadget pode ser usado como um relógio, com uma pulseira maleável de silicone, ou então colocado no bolso ou preso na camisa durante o dia.

O Shine se destaca também pela duração de bateria. Como um relógio comum, o produto usa uma bateria de lítio que promete duração de até seis meses. Ou seja, não é preciso ligá-lo a uma tomada de tempos em tempos, porém, o consumidor precisará desembolsar algum dinheiro na troca da bateria.

No Shine, não há uma tela como no Moto 360, da Motorola. A interface é muito simples. São pequenas lâmpadas LED que se acendem para mostrar as horas e a quantidade de exercícios realizados. É preciso tocar no produto para ver essas informações. O pareamento com smartphones acontece por Bluetooth 4.0, que tem um baixo consumo de energia e essa característica é o que permite ao Shine ser tão eficiente em termos de gasto energético. O relógio usa o aplicativo da Misfit para reunir os dados coletados do usuários, o que limita seu funcionamento aos sistemas operacionais aos quais o app está disponível, no caso, Android e iOS. A conta do usuário no Misfit pode ser conectada ao MyFitnessPal, que é um diário de dieta bastante completo.

Não é preciso permanecer com o Shine conectado o tempo todo com o smartphone, já que ele pode guardar dados referentes a 30 dias de uso. Isso certamente ajuda a economizar a bateria do celular, pois você poderá deixar o Bluetooth desligado na maior parte do tempo, se assim preferir.

O aplicativo da Misfit permite configurar quantos “pontos” você quer marcar por dia. Essa pontuação é sobre a sua queima calórica. O uso dessa unidade de medida requer que o usuário aprenda a utilizar o produto e a enxergar o seu gasto de energia em pontos. Talvez seja uma tentativa de gamefication, porém, manter a simplicidade caberia melhor aqui.

Discreto e com design elegante e redondo, como o de um relógio, o Shine também é leve: são 10 gramas. Isso significa que ele não vai incomodar o usuário que optar por usá-lo seja no pulso, seja no bolso. Ele tem o tamanho próximo ao de uma moeda de 1 real, para efeito de comparação.

Vamos agora ao defeito do gadget: a contagem de calorias. Com dois toques na tela, você vê o quanto da meta diária foi atingida e o horário. O progresso na queima calórica é mostrado de forma não usual. O aparelho exibe, por exemplo, que você completou 6/12 da sua meta, se tiver chegado a metade.

O problema não é esse. O que acontece é que o contador de calorias é impreciso, possivelmente, devido pedômetro usado. Nos testes realizados pelo INFOlab, o Shine detectou a atividade “futebol intenso” após uma caminhada na rua com ritmo acelerado. Em estado de repouso, quase 40 minutos de caminhada foram registrados pelo Shine. Enfim, uma forma de usar o gadget para medir o desempenho em exercícios poderia, eventualmente, ser apenas verificar em quais dias você atingiu maiores pontuações.

Outro erro foi encontrado no monitoramento do sono. O modo nortuno pode ser ativado automaticamente, mas isso não funcionou adequadamente nos testes. Em um período de sono que foi das 4h às 14h, o Shine só registrou a qualidade do sono do usuário das 4h às 11h51. Em outras noites, esse recurso funcionou de melhor forma, com discrepâncias de poucos minutos antes e depois o usuário se deitar ou se levantar — uma margem de erro aceitável, pois evita falsos positivos.

Em suma, o Shine é um relógio inteligente com bom design, ótima duração de bateria e oferece versatilidade de uso. Mas, se o foco do consumidor for aquirir um produto que monitore a atividade física, uma das propostas cruciais dos vestíveis, esta não é a melhor opção. Concorrentes como a Sony SmartBand, o Moto 360, o Samsung Galaxy Gear S e a Oregon Scientific SSmart Dynamo se sairam melhor nesse quesito. Por outro lado, nenhuma dessas opções tem um design tão elegante quanto o do Shine.

Ficha técnica

Conexões Bluetooth 4.0
Compatiblidade Android e iOS
Peso 10 g

Avaliação técnica

Prós Design, duração de bateria, versátil
Contras Contador de calorias impreciso
Conclusão Relógio inteligente bonito, mas recursos fitness deixam a desejar
Média 7.8
Preço R$ 600