Milhões de veículos da Volks estariam vulneráveis a hackers

Estudo realizado por britânicos revela que ladrões podem roubar sinal da chave keyless e furtar veículos

Com os carros cada vez mais equipados com componentes eletrônicos e novas tecnologias, eles começaram a ficar mais suscetíveis a hackers.

Prova disso é o recente caso de modelos Jeep furtados nos EUA por uma quadrilha formada por hackers e a invasão no sistema Uconnect em modelos do grupo FCA (Fiat Chrysler Automobiles) no ano passado.

Agora, pesquisadores da Universidade de Birmingham (Inglaterra) anunciaram uma vulnerabilidade que afeta mais de 100 milhões de veículos da Volkswagen fabricados desde 1995.

Segundo o site Autoblog, os ladrões podem utilizar um transmissor capaz de interceptar o sinal sem fio da chave keyless de um carro e, com isso, retransmitir esse sinal e destravar as portas do veículo e depois ligá-lo.

O site Wired afirma que essa vulnerabilidade afeta modelos Volkswagen produzidos há 20 anos (lá fora, claro), além de incluir também projetos mais recentes, como o Golf de sétima geração.

Para um carro ser invadido, basta ser equipado com sistema keyless. Apesar de os ladrões usarem um equipamento nada complexo e viável de se adquirir, interceptar o sinal não é uma tarefa tão fácil.

Para isso, é necessário estar pelo menos a uns 100 metros de distância do dono (que está com chave no bolso), além de ter que esperar o proprietário pressionar o botão da chave para o dispositivo eletrônico captar o sinal.

Em seguida, esse sinal deve ser combinado com uma chave criptográfica que, depois, irá clonar o sinal original. Pronto, o ladrão poderá ter acesso ao carro. O problema é que a Volkswagen utiliza a mesma chave criptografada em outros modelos do grupo, que inclui as marcas Audi e Skoda.

Os pesquisadores também identificaram uma segunda vulnerabilidade de uma criptografia de chave mais antiga utilizada em modelos Alfa Romeo, Mitsubishi, Nissan, entre outros.

Além dessa pesquisa, houve testes feitos pela organização alemã ADAC que revelaram há alguns meses que revelou falhas de segurança em automóveis equipados com sistema keyless de outras fabricantes como BMW, Citroën, Ford, Honda, Hyundai, Kia, Lexus, Range Rover, Renault, Mini, Mitsubishi, Nissan, Subaru e Toyota.