Mercado de PCs encolhe enquanto usuários compram tablets

O sucesso dos tablets, a espera pelo Windows 8 e o fracasso (até agora) dos ultrabooks fazem cair as vendas de PCs

São Paulo — Gartner Group e IDC divulgaram, nesta semana, suas estatísticas sobre o mercado mundial de computadores pessoais. Elas mostram que as vendas caíram 0,1% no segundo trimestre em comparação com o mesmo período de 2011. A culpa, dizem os analistas, está no sucesso dos tablets, na espera pelo Windows 8 e no fato de os ultrabooks não terem, por enquanto, feito sucesso.

Este último item é o mais desapontador para os fabricantes de PCs. Concebidos pela Intel como resposta à bem sucedida linha MacBook Air, da Apple, os ultrabooks eram a grande esperança desses fabricantes. Eles são leves e elegantes. Mas não caíram no gosto dos usuários.

Uma das razões parece ser o preço elevado. As pessoas comparam um ultrabook de 3 mil reais com um notebook convencional de 2 mil reais e percebem que este último tem maior capacidade de armazenamento, tela maior e processador mais poderoso. Também tem um drive de DVD ou Blu-ray, item que vem perdendo importância, mas que alguns consumidores ainda valorizam.

“Os ultrabooks ainda não produziram um aumento significativo no volume de vendas. Isso acontece, em parte, por causa da antecipação de melhoramentos como o Windows 8, que é esperado para este ano, mas também por causa do preço”, diz o texto distribuído à imprensa pela IDC.

Outra razão para a queda é que o consumidor tem preferido investir em tablets e smartphones, em vez de trocar seu PC por um novo. “Os consumidores estão menos interessados em gastar com PCs já que há outros produtos e serviços tecnológicos, como tablets e smartphones, que eles estão comprando”, diz Mikako Kitagawa, analista principal do Gartner.


Os números divulgados por IDC e Gartner mostram que, entre os cinco maiores fabricantes, os asiáticos estão bem; e, os americanos, mal. Tanto a HP como a Dell perderam participação, enquanto Lenovo, Acer e Asus ganharam mercado. A HP foi de 16,9% para 14,9%. Ela continua líder, mas sua posição já é ameaçada pela Lenovo, a segunda colocada.

O Gartner atribui esse resultado aos problemas internos da HP. A empresa chegou a dizer que iria se desfazer da sua divisão de PCs no ano passado e, depois, voltou atrás. Além disso, a Lenovo cortou preços agressivamente em sua linha de produtos corporativos, apertando a concorrência com a HP. A empresa chinesa aumentou sua participação de 12,7% para 14,7% do mercado mundial. Se essa tendência se mantiver, a Lenovo deve ultrapassar a HP nos próximos meses.

Outra que se saiu bem foi a taiwanesa Acer. Ela aumentou sua fatia do mercado de 10,6% para 11% e roubou o terceiro lugar da Dell, que caiu para a quarta posição, com 10,7% de participação, contra 12,1% um ano antes. Já a Asus brilhou nesse trimestre. A empresa de Taiwan aumentou suas vendas em 39% e elevou sua participação de 5% para 7%, mantendo-se firme no quinto lugar.

O Gartner Group também divulgou números do mercado americano. A Apple – que não está entre os cinco maiores fabricantes mundiais – ganhou participação nos Estados Unidos. Lá, onde ela ocupa o terceiro lugar no ranking, atrás de HP e Dell, sua fatia do mercado subiu de 10,8% para 12%.

Já a IDC forneceu dados sobre cada continente (mas, infelizmente, não sobre cada país). Na América Latina, a queda nas vendas de PCs foi ainda maior que no mundo em geral – 1,7%. Os números divulgados pelas duas empresas incluem tanto PCs de mesa como portáteis, mas não tablets.