Jornalista é condenado por compartilhar conteúdo hackeado

Barrett Brown era considerado um dos porta-vozes do grupo Anonymous

O jornalista Barrett Brown foi condenado a 63 meses de prisão por um juiz federal em Dallas, Estados Unidos, na quinta-feira (22).

Brown foi acusado de invasão de computadores por compartilhar um link com as informações que hackers obtiveram ao entrar no sistema de uma empresa de investigação privada americana, a Stratfor.

Barrett Brown, de 33 anos, era considerado um dos porta-vozes do grupo Anonymous. O jornalista afirma ter saído do coletivo em 2011.

Em 2012, Brown foi preso pelo FBI por ter supostamente ameaçado um agente federal em um vídeo no YouTube.

Dois meses depois, ele sofreu outras 12 acusações por relação com a invasão do site da Stratfor.

Em uma declaração divulgada após o julgamento, Brown foi sarcástico: “Boas notícias! O governo americano decidiu hoje que por eu ter feito um bom trabalho investigando o complexo ciberindustrial, eles irão me enviar para investigar o complexo prisional”

Kevin Gallagher, diretor de um movimento que defendia Brown, afirmou ao jornal The Guardian que quando ouviu a sentença achou que o juiz havia se enganado. “Fiquei chocado e decepcionado”, afirmou.

Em um momento do processo, Brown poderia ser condenado para uma sentença de 100 anos. Mas depois que os promotores retiraram parte das acusações, após o réu confessar alguns dos crimes, os parâmetros da sentença foram reduzidos.

Gallagher afirma que a sentença abre um precedente perigoso para jornalistas. “Se você compartilhar um link de material público sem saber o que está nele – talvez possa ser informações de cartões de crédito roubado – você poderá ser processado”.

“Qualquer jornalista que usa hackers como fonte deve ficar extremamente preocupado”, afirma Gallagher.

Brown também deverá pagar uma multa de cerca de 900 mil dólares.