Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,67 -0,04%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,95% 63.257 pts
Pontos 63.257
Variação 0,95%
Maior Alta 5,04% SMLE3
Maior Baixa -3,99% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 17:20 FONTE

Japão usará realidade virtual para desmontar Fukushima

O sistema tem uma tela de 3,6 metros de altura que projeta imagens em três dimensões que simulam o interior dos edifícios dos reatores

Tóquio – O Japão empregará um sistema de realidade virtual para treinar os técnicos que trabalham no programa de desmontagem da usina nuclear de Fukushima, informou nesta sexta-feira a edição digital do jornal “Asahi”.

Situado no Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Remota de Naraha (a 12 quilômetros da usina), o sistema tem uma tela de 3,6 metros de altura que projeta imagens em três dimensões que simulam o interior dos edifícios que abrigam os reatores da central, atingida pelo terremoto e tsunami de 2011.

Estes edifícios estão atualmente inacessíveis para os trabalhadores devido os elevados níveis de radiação.

Por isso, com esta tecnologia poderão “estabelecer um plano de trabalho idôneo para a tarefa, comprovando a rota e a duração dos deslocamentos, e estimar assim a exposição à radiação”, indicou a Agência da Energia Atômica do Japão (JAEA), responsável pelo projeto.

O centro também conta com uma réplica da tonel de contenção de um reator, que será utilizada para testes e pesquisas de métodos e tecnologias para a completa desativação.

Uma dos trabalhos mais complicados de todo o processo é a extração e o armazenamento seguro do combustível fundido e solidificado que se acumula nos reatores 1, 2 e 3 da usina atômica.

Antes da retirada, é preciso comprovar o estado do interior dos reatores, descontaminar a estrutura e reparar as partes por onde está vazando a água usada para resfriá-los.

No entanto, os níveis de radiação são tão elevados que por enquanto só foi possível utilizar dispositivos de controle remoto, como robôs, para acessar as unidades danificadas.

É por isso que a JAEA espera que esta tecnologia ajude a melhorar a eficiência e a segurança durante o tedioso processo de desmantelamento da central de Fukushima, que pode durar entre 30 e 40 anos.