Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,28%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,55% 63.731 pts
Pontos 63.731
Variação -0,55%
Maior Alta 3,72% FIBR3
Maior Baixa -3,20% TIMP3
Última atualização 29/05/2017 - 13:45 FONTE

Facebook admite fracasso de seu e-mail e encerra o serviço

Porta voz da rede social reconheceu que a mudança foi tomada porque "a maioria das pessoas não estava usando seu endereço de e-mail"

Los Angeles – O Facebook informou de forma discreta nesta segunda-feira o fim de seu serviço de e-mails, uma aposta que lançou em 2010 como seu “sistema moderno de mensagens” e que quatro anos depois terminou sendo um fracasso.

A notícia foi confirmada ao site de notícias tecnológicas “Re/code” por um porta-voz da rede social que reconheceu que a mudança foi tomada porque “a maioria das pessoas não estava usando seu endereço de e-mail do Facebook”.

A partir de agora os as mensagens enviadas aos endereços @facebook.com dos usuários dessa plataforma serão reconduzidos à caixa de correio de seus e-mails pessoais sempre e quando mantiverem ativada a opção de reenvio automático associada ao serviço do Facebook.

Mark Zuckerberg, fundador da companhia, apresentou o serviço de e-mails no congresso Web 2.0 Summit de San Francisco em novembro de 2010 após muitas especulações sobre um projeto da rede social para concorrer com Gmail, Hotmail e Yahoo!.

Zuckerberg descreveu então o e-mail como um meio de comunicação “lento” e insistiu que seu @facebook.com definiria a “próxima geração” de mensagens pela internet.

Justo um ano antes nascia no Vale do Silício a empresa de mensagens Whatsapp pela qual o Facebook acaba de pagar US$ 19 bilhões para posicionar-se no nicho da mensagem pela internet.

Com @facebook.com, a empresa incorporava o e-mail a seu serviço de conversa na rede social ao integrá-lo com as mensagens de texto e chat no Facebook.

Em 2012, em vista da fria recepção da proposta, o Facebook tomou a decisão unilateral de mudar os e-mails principais dos usuários em sua rede social pelos terminados em @facebook.com, uma manobra que gerou uma onda de críticas. EFE