Como a digitalização pode ajudar as empresas

Entenda como as tecnologias digitais podem melhorar seu negócio e quais são os elementos que merecem atenção na linha de produção

Tecnologias digitais como internet das coisas e big data desenham um novo cenário dentro de indústrias de todo o mundo. Em países como Estados Unidos e Alemanha, as decisões no chão de fábrica são tomadas por máquinas inteligentes, a partir de informações fornecidas em tempo real. Esse processo de automatização industrial é conhecido como digitalização. Mas seus benefícios são inúmeros para empresas de diversos setores, que podem aproveitar as soluções digitais para não perder espaço em um ambiente cada vez mais competitivo.

Para João Emílio Gonçalves, gerente executivo de política industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), um dos maiores desafios das fábricas, por exemplo, sempre foi aumentar a produtividade, mas sem elevar os custos ou perder qualidade. “Empresas de vários países estão conseguindo isso com a adoção das tecnologias digitais em suas linhas de produção, e é importante que o Brasil não fique para trás”, afirma.

Segundo pesquisa da CNI, os empreendedores brasileiros ainda estão pouco familiarizados com a digitalização e seus impactos nos negócios. O estudo, publicado em maio de 2016, foi feito com 2 225 companhias. Em uma lista com dez opções de inovação, 42% não identificaram quais tecnologias seriam mais interessantes para suas empresas. Mais do que escolher as melhores soluções digitais, é preciso compreender como esses processos funcionam na cadeia de produção. Veja a seguir os quatro elementos centrais que devem ser considerados durante a digitalização dos negócios.

Software e automação
O modelo de fabricação da maior parte das indústrias brasileiras realiza processos em lotes. Isso significa que a produção é feita em grande volume e resulta em produtos iguais entre si. “Não existe flexibilização da linha de produção, então não é possível personalizar o pedido”, diz José Roberto Soares, professor de engenharia elétrica da Universidade Presbiteriana Mackenzie e especialista em controle e automação industrial.

Nessa lógica, se um cliente quisesse comprar um carro laranja, por exemplo, seria preciso interromper toda a fabricação em massa para reconfigurar a máquina manualmente, um método lento e caro. “As empresas dependem de processos, e, quando um pedido é fora do comum, o custo e o tempo para produzi-lo sobem muito. Sem contar a necessidade de testes para que não ocorram erros. Com a digitalização, isso tudo quase desaparece”, afirma Soares.

Hoje, já existem ferramentas que permitem a produção individualizada. O cliente pode desenhar seu pedido, que será enviado para uma linha de produção capaz de se modificar automaticamente para atender à demanda. Os softwares de moldagem já atingiram níveis de eficiência tão grandes que, quando o desenho está pronto, não há necessidade de testes. “O computador já mostra se as peças vão se encaixar corretamente, o que confirma a possibilidade de fabricação do produto. Com isso, a empresa ganha vantagens enormes em tempo e redução de custos.”

Gestão de estoque: sistemas conectados ajudam no controle e na identificação de produtos (andresr/Getty Images)

Comunicação digital
Para que benefícios como a produção individualizada sejam possíveis, é necessária uma comunicação não apenas entre as máquinas, mas, sim, de todos os agentes envolvidos – inclusive, a matéria-prima. “É preciso que exista um ambiente em que peças e máquinas se comuniquem”, diz Eduardo Zancul, professor do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

A comunicação entre máquinas e peças tem início quando o cliente faz o pedido. “Os detalhes são adicionados à matéria-prima de tal maneira que ela carrega consigo um manual do que deve ser feito. Assim que ela chega às respectivas máquinas, transmite essa informação. Então, se um cliente pede um skate verde, por exemplo, quando a peça chegar à máquina, ela automaticamente indicará de que cor precisa ser pintada”, diz.

As vantagens são muitas até para a gestão do estoque. Se uma loja de sapatos monitora todos os itens de forma inteligente, o sistema identifica quando uma numeração específica está em falta e faz o pedido automaticamente para o fornecedor. Além disso, na produção individualizada, as tomadas de decisões são descentralizadas e automáticas. “Hoje, a ordem parte de cima. Vem da equipe que controla a produção e que determina se serão fabricados, por exemplo, 100 skates azuis. A digitalização redesenha o processo.”

Segurança digital
Embora aumente a eficiência dos processos, a maior conectividade também pode criar a possibilidade de ataques virtuais. Afinal, equipamentos antes offline agora ficam conectados a uma rede de computadores. Portanto, é preciso que a empresa se preocupe em melhorar sua segurança. “Qualquer negócio pode ser invadido se não houver cuidado, desde fábricas e comércios a até mesmo clínicas”, diz o professor Soares.

Para garantir a proteção, todos os níveis da empresa devem ser resguardados  simultaneamente. O cuidado deve ser tomado tanto no acesso físico aos terminais de controle quanto na proteção virtual dos dados da empresa. Para isso, além de soluções atualizadas de antivírus e firewall, a empresa também pode utilizar sistemas biométricos de identificação, serviços de armazenamento de dados na nuvem e ferramentas de criptografia na comunicação entre funcionários e máquinas.

“A questão da segurança sempre existiu. A única novidade é que, hoje, a quantidade de informação cresceu exponencialmente, e a segurança precisa aumentar nesse mesmo ritmo”, afirma Pietro Delai, gerente de consultoria e pesquisa de infraestrutura e telecom da IDC Brasil.

Digitalização: em vez de trocar uma peça apenas quando ela quebra, é possível prever quando o equipamento irá falhar (Easy_Company/Getty Images)

Serviços industriais
Com a digitalização, um número maior de informações é gerado durante os processos. Esses dados devem ser armazenados e analisados de maneira inteligente pela empresa, pois podem trazer benefícios estratégicos, como na manutenção de máquinas. Em vez de trocar uma peça apenas quando ela quebra, o sistema pode prever quando o equipamento falhará. Isso permite substituir uma peça antes mesmo que ela apresente problemas e evitar interrupções não planejadas da produção. “Com a análise em tempo real dos dados, é possível fazer uma manutenção preditiva”, explica Delai, da IDC Brasil.

Outra vantagem é a possibilidade de gerar novos serviços, como a personalização da manutenção periódica de veículos. Atualmente, as empresas recomendam que os carros passem por manutenção de acordo com o tempo decorrido após a compra, mas cada consumidor tem um perfil de uso diferente. “Com a internet das coisas nos carros e a geração de dados de consumo, seria possível fornecer o serviço de forma individualizada. Afinal, alguns clientes podem precisar de revisão mais cedo, enquanto outros podem esperar mais. E o próprio carro pode se comunicar com a oficina para pedir as peças necessárias”, diz.

Os benefícios vão além da indústria automotiva. Uma fabricante têxtil, por exemplo, pode rastrear toda a sua linha de produção. Assim, caso alguma peça apresente defeito, como na costura, a empresa pode verificar todo o processo de produção da roupa. Além de identificar o problema para que ele não se repita, o processo de digitalização representa um avanço sem precedentes para os clientes, que passam a ter acesso a produtos de qualidade garantida.