China quer nome real de usuários para acesso à internet

Ao se inscreverem para provedores de rede, pessoas teriam que se registrar com nomes reais, informou a mídia estatal chinesa. Lei ainda está sendo discutida

Pequim – A China pode exigir que os usuários de internet registrem-se com seus nomes reais ao se inscreverem para provedores de rede, informou a mídia estatal nesta terça-feira, estendendo uma política já em vigor em microblogs, na tentativa de reduzir o que as autoridades chamam de “rumores” e “vulgaridade”.

Uma lei que está sendo discutida esta semana propõe que as pessoas tenham de apresentar seus cartões de identidade emitidos pelo governo ao assinar contratos de telefonia fixa e acesso à internet móvel, segundo jornais estatais.

“A lei deve acompanhar o desenvolvimento da internet para proteger o interesse das pessoas”, disse o porta-voz do Partido Comunista em artigo na primeira página do Diário do Povo, reforçando pedidos similares veiculados na mídia estatal na semana passada.

“Só assim a nossa internet será mais saudável, mais culta e mais segura.” Muitos usuários dizem que as restrições têm como objetivo claro amordaçar ainda mais as conversas online muitas vezes mordazes, ruidosas –e talvez mais significativamente, anônimas –, em um país onde a internet oferece uma rara oportunidade para o debate aberto.

Também poderia impedir que as pessoas expusessem a corrupção online, por temor a represálias por parte das autoridades, disseram alguns internautas chineses.

Não ficou claro como as regras seriam diferentes dos regulamentos já existentes, à medida que a mídia estatal forneceu apenas detalhes vagos e, na prática, clientes já têm há muito tempo que apresentar documentos de identidade no momento da assinatura de contratos com provedores de internet.

O governo diz que esse sistema é necessário para evitar que pessoas façam acusações maliciosas e anônimas na internet, e também que muitos outros países possuem regras similares.