Dólar R$ 3,28 0,59%
Euro R$ 3,66 -0,14%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,25% 62.441 pts
Pontos 62.441
Variação 1,25%
Maior Alta 5,07% CMIG4
Maior Baixa -7,19% JBSS3
Última atualização 23/05/2017 - 11:26 FONTE

Brasil tem 268,44 milhões de celulares ativos, diz Anatel

O Brasil terminou agosto com 268.440.423 linhas ativas na telefonia móvel. O dado foi divulgado nesta terça-feira, 01, pela Anatel

São Paulo – O Brasil terminou agosto com 268.440.423 linhas ativas na telefonia móvel. O dado foi divulgado nesta terça-feira, 01, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). No período, as novas habilitações passaram da marca de 1,44 milhão de linhas informou a agência.

Do estoque total ao final de agosto, havia 212,23 milhões de acessos pré-pagos, ou seja, 79,06%. Outros 56,21 milhões de celulares eram pós-pagos, representando 20,94%. A banda larga móvel totalizou 85,31 milhões de acessos, dos quais 398,62 mil são terminais 4G, relatou a Anatel.

Com o total de terminais móveis nas mãos dos brasileiros, a “teledensidade” chegou a 135,45 acessos para cada grupo de cem habitantes. Em julho, a teledensidade era de 134,81 acessos móveis para cada cem pessoas. Na prática, isso significa que há mais de um celular para cada brasileiro.

O Distrito Federal é a unidade da Federação com mais elevada teledensidade, com 220,91 terminais móveis para cada cem pessoas. O índice mais baixo é no Maranhão, com 95,32 celulares para cada cem moradores. O Estado de São Paulo – que é o principal mercado do País, com 64,918 milhões de celulares, ou seja, mais de 24% do total – registrou teledensidade de 153,64 terminais móveis para cada cem pessoas em agosto.

Na divisão de mercado, a liderança é da Vivo, com 77,077 milhões de acessos móveis (28,71%). A segunda colocação pertence à TIM, com 72,924 milhões (27,17%). A Claro ocupa o terceiro lugar, com 67,111 milhões (25%). O quarto lugar é d Oi, com 50,048 milhões (18,64%). O ranking da Anatel inclui CTBC, Nextel, Sercomtel, Portoseguro e Datora que, juntas, somam 1,278 milhão de linhas, o que representa menos de 0,5% do mercado.