Bill Gates estranhava o Gmail

Na estréia do correio digital mais robusto do mundo, Gates achou que a empresa estava agindo errado ao investir em memória

São Paulo – Bill Gates já usou o Gmail – e talvez ainda mantenha uma conta por lá. Mas, na época da criação do serviço, achava esquisito o Google dar 1 gigabyte de armazenamento.

A revelação também está no livro In the Plex, de Steven Levy, que conta os bastidores do Google – e mostrou o azedamento das relações da empresa com a Apple, tema do post anterior do blog. De acordo com o Huffington Post, Levy foi conversar com Gates e acabou mencionando que já tinha ocupado metade do espaço disponível na conta do Gmail. O dono da Microsoft tomou um baita susto.

De acordo com o jornalista, Gates teria perguntado como era possível alguém precisar de mais de 1 gigabyte para guardar e-mails. “O que você tem lá? Filmes? Apresentações de PowerPoint?”, afirmou. “Quantas mensagens você guarda? É sério. Estou tentando entender se isso se deve à quantidade de e-mails ou ao tamanho deles.” O autor conta que Gates fez as contas e concluiu que o Google estava agindo errado.

O dono da Microsoft também admitiu ao jornalista que costumava usar diferentes serviços de correio eletrônico. “Eu brinco com o E-mail A, o E-mail B, o E-mail C… Brinco com todos.” O tempo passou e a visão de Gates e da Microsoft mudou rápido. Anos depois, o Hotmail (ou Windows Live Mail), que dava míseros 2 megabytes para os usuários, subiu a cota várias vezes. Hoje, oferece armazenamento ilimitado. Já o Gmail parou nos 7 gigabytes, e quem quiser mais espaço tem de pagar.