Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,12%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Associações da França processam Google por uso de termo ‘judeu’

Associações querem que ferramenta de busca deixe de associar de forma automática a palavra "judeu" aos nomes de personalidades pesquisadas pelos internautas

São Paulo – Várias associações francesas processaram a empresa Google para que a ferramenta de busca deixe de associar de forma automática a palavra “judeu” aos nomes de personalidades pesquisadas pelos internautas, informou neste sábado uma fonte ligada ao caso.

Uma audiência foi marcada para quarta-feira às 08h00 GMT (05h00 de Brasília), anunciou à AFP o advogado da SOS Racismo, Patrick Kulgman, que considera que a função “Google Suggest” (ferramenta de preenchimento automático) gerou “a criação do que talvez seja o maior arquivo judeu da história”.

Disponível na França desde 2008, o “Google Suggest”, permite sugerir o que o internauta procura, tendo como base, em parte, as buscas realizadas por outros internautas.

Em sua queixa, consultada pela AFP, a União dos Estudantes Judeus da França (UEFKJ), a Acuso! Ação Internacional pela Justiça (AIPJ), a SOS Racismo e o Movimento contra o Racismo e pela Amizade entre os Povos (MRAP) protestam contra o uso do termo “judeu” seja proposto pelo Google Suggest quando é feita uma busca pelo nome de alguma personalidade.

“Vários usuários da maior ferramenta de busca da França e do mundo se deparam diariamente com a associação não solicitada e quase sistemática do termo ‘judeu’ junto a nomes de pessoas de primeiro plano da política, da mídia e dos negócios”, lamentam essas organizações.

“Eles veem difundidos e intensificados da forma mais visualmente imediata, o sentimento da onipresença dos judeus no comando da França”, acrescentam essas associações.

Para as associações, o Google Suggest infringe a lei que proíbe a formação de arquivos étnicos.

Em seu site, a Google indica que exclui do Google Suggest “uma categoria restrita que corresponde a termos pornográficos, violentos, de incitação ao ódio e relacionados a direitos autorais”.