Assange troca prisão vitoriana por mansão rural

Ele também precisa usar um dispositivo eletrônico, submeter-se a um toque de recolher e se apresentar regularmente à polícia

Reino Unido – A mansão rural georgiana onde Julian Assange terá que viver enquanto permanecer em liberdade condicional será uma mudança para melhor em comparação com o local onde ele tem passado seus dias: a prisão Wandsworth, em Londres.

O fundador do site WikiLeaks, de 39 anos, deixou a prisão nesta sexta-feira, depois que um juiz de uma corte de alta instância rejeitou uma apelação para mantê-lo sob custódia enquanto tenta evitar a extradição para a Suécia para responder a um processo sobre crimes sexuais.

Uma de uma série de condições da condicional, impostas pela corte é que ele more em Ellingham Hall, uma propriedade de quase 300 hectares em Suffolk, leste da Inglaterra, que pertence ao simpatizante abastado Vaughan Smith.

Ele também precisa usar um dispositivo eletrônico, submeter-se a um toque de recolher e se apresentar regularmente à polícia. Apesar das restrições, o tempo de Assange na mansão será bem diferente de sua permanência na prisão vitoriana de Wandsworth, onde ele está desde que foi detido a pedido da suécia, em 7 de dezembro.

Com dez camas e 240 hectares de área privada perto da cidade de Bungay, norte de Suffolk, a mansão Ellingham Hall tem lago próprio, uma fazenda de orgânicos e uma adega bem abastecida.

Smith foi um oficial do exército britânico e jornalista, que fundou o Clube Frontline, um clube midiático de Londres onde o WikiLeaks baseou parte de sua operação. Assange viveu no clube durante algumas semanas este ano.