6 curiosidades sobre a gigafábrica da Tesla

A fábrica, parte essencial para que a Tesla alcance suas pretensões de popularizar carros elétricos, deve ser inaugurada no final deste mês

São Paulo – No final de julho, a Tesla deve inaugurar a sua gigafábrica—uma planta gigantesca que é parte essencial para que a empresa possa popularizar carros elétricos e o uso de baterias domésticas. A produção das baterias para o Tesla Model 3, anunciado recentemente por Elon Musk (CEO e fundador da empresa), será realizada lá.

Ainda em processo de finalização, a fábrica fica no estado de Nevada, nos Estados Unidos. Ela está sendo erguida em um terreno de mais de 11,5 km², que permitirá que a fábrica passe por muitos e muitos processos de expansão, caso sejam necessários.

Veja abaixo seis curiosidades sobre a gigafábrica da Tesla.

Maior do que o Vaticano

Já falamos sobre o tamanho gigantesco do terreno. A fábrica em si, no entanto, ocupará uma área de 51 hectares—ou 0,51 km².

Isso pode não parecer tão surpreendente, então vamos a uma comparação. A cidade do Vaticano é menor do que a gigafábrica. A área total do terreno da sede da Igreja Católica é de 44 hectares. A área ocupada pela fábrica da Tesla será cerca de 20% maior do que a da cidade do Vaticano.

Em termos de área construída, os números ficam ainda mais assustadores. De acordo com informações da Bloomberg, a gigafábrica terá um total de área de 1,3 km², uma vez que algumas áreas terão diversos níveis. Com isso, será ela será a segunda maior construção do mundo, perdendo apenas para uma fábrica da Boeing, que também fica nos EUA.

(Divulgação/Tesla)

Detalhes nem tão pequenos

Elon Musk parece fazer parte da escola Steve Jobs de detalhes. Em uma conferência, Musk afirmou que a fábrica será “esteticamente agradável”. É difícil não lembrar da obsessão de Jobs por fábricas que fossem bonitas e com paredes sempre brancas e limpas.

Musk, no entanto, chega a outro nível aqui. O primeiro detalhe é o formato da fábrica. Ela não será quadrada, mas em forma de diamante. A explicação é que, com isso, é preciso transportar menos terra, causando um impacto ambiental menor.

O segundo detalhe é ainda mais interessante. A fábrica será alinhada com o norte do planeta Terra. São dois motivos para essa escolha. O primeiro é que isso facilitará o posicionamento de máquinas autônomas orientadas por GPS. Outra razão, bastante curiosa, é que isso permitirá melhor distribuição e movimentação dos paineis solares no teto da fábrica.

É essencial

A gigafábrica é parte essencial da visão de Elon Musk sobre a Tesla e sobre a revolução da energia elétrica. Lá, serão fabricadas as baterias para o Model 3 e para instalações domésticas. Com a produção em escala, o custo de fabricação de um Model 3 (o carro mais em conta já anunciado pela Tesla) deve cair, ajudando a popularizar veículos elétricos.

A diminuição no custo de produção virá também graças a menos desperdícios e centralização de produção sob um teto. A empresa estima que até 2020 terá um custo 30% menor na produção das baterias do Model 3 e, consequentemente, um custo menor também na produção do carro.

O Model 3 foi idealizado por Musk para causar uma pequena revolução no mercado automobilístico. Ele acredita que com um veículo mais barato, consumidores poderão finalmente ter um carro elétrico, diminuindo a emissão de poluentes gerados pela queima de combustíveis.

(David Paul Morris/Bloomberg)

Reuniões químicas

Visite um escritório de uma empresa do Vale do Silício e verá que as salas de reuniões são batizadas com nomes espirituosos. A gigafábrica da Tesla não será diferente—ok, talvez seja um pouco. O que tem de mais original é que cada sala será batizada com o nome de um elemento químico, de acordo com a Bloomberg. Entre eles estarão lítio (elemento dos quais as baterias são feitas), cobalto, níquel, entre outros.

Verde

Algo impressionante é que a fábrica será capaz de gerar toda a energia que precisará para funcionar. O teto da construção será coberto por placas solares. Outras fontes serão a geotermal e eólica.

A empresa ainda afirma que todos os materiais poderão ser reciclados dentro da própria fábrica.

À prova de terremotos

Uma das preocupações durante o desenho foi fazer da construção algo à prova de terremotos. Para isso, a Tesla gastou 16 milhões de dólares, de acordo com o jornal Reno-Gazette.

Para isso, a gigafábrica conta com quatro diferentes estruturas que são apoiadas em quatro diferentes fundações. Essas informações foram retiradas de especificações da construção.