Os bancos mais reclamados no último bimestre

Banco Central divulgou o levantamento dos bancos de médio e grande portes mais reclamados no último bimestre do ano passado. Confira

São Paulo – O Bradesco ultrapassou a Caixa e assumiu a liderança entre as grandes instituições financeiras (com mais de quatro milhões de clientes) mais reclamadas no último bimestre de 2016, segundo o ranking de queixas divulgado pelo Banco Central.

Já entre os bancos médios (com menos de quatro milhões de clientes), o Safra ultrapassou o Intermedium do penúltimo para o último bimestre do ano passado e concentrou o maior número de reclamações em novembro e dezembro.

O segundo banco com mais queixas entre as instituições financeiras de maior porte no mês foi o Santander, que estava em terceiro lugar na lista de setembro/outubro.

A Caixa completou o pódio dos bancos mais reclamados, na terceira colocação no último bimestre de 2016, depois de ter liderado o ranking de setembro/outubro.

Na lista dos bancos médios com mais queixas, o Pan e o Intermedium ficaram na segunda e na terceira colocação, respectivamente, no último bimestre do ano passado. No levantamento anterior, o Pan estava em quarto lugar e o Intermedium em primeiro.

Metodologia

ranking inclui apenas reclamações procedentes. As queixas de clientes das instituições financeiras são recebidas e analisadas pelo BC, que verifica se, de fato, o banco descumpriu as normas do Conselho Monetário Nacional (CMN).

A lista mostra a quantidade de reclamações contra cada banco para cada grupo de um milhão de clientes. O objetivo é evitar distorções e impedir que bancos apareçam no topo do ranking apenas porque têm mais clientes.

A lista completa pode ser consultada no site do Banco Central. Veja a seguir a lista dos bancos mais reclamados de janeiro.

Bancos grandes – mais de dois milhões de clientes

As principais queixas entre os bancos de maior porte foram irregularidades relacionadas à segurança, sigilo e legitimidade das operações e serviços; e oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada.

1º Lugar: Bradesco (conglomerado)

Reclamações procedentes 2617
Número de clientes 92.455.480
Índice* 28,30

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 1.000.000.

Principais reclamações (em ordem decrescente): outras irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços; irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços relacionados a cartões de crédito; e cobrança irregular de tarifa por serviços não contratados.

2º Lugar: Santander (conglomerado)

Reclamações procedentes 607
Número de clientes 37.065.391
Índice* 16,37

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 1.000.000.

Principais reclamações (em ordem decrescente): oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada; outras irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços; e irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços relacionados a cartões de crédito.

3º Caixa (conglomerado)

Reclamações procedentes 1357
Número de clientes 83.020.990
Índice* 16,34

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 1.000.000.

Principais reclamações (em ordem decrescente): outras irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços; irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços relacionados a cartões de crédito; e débito em conta de depósito não autorizado pelo cliente.

4º Lugar: Banco do Brasil (conglomerado)

Reclamações procedentes 784
Número de clientes 59.108.773
Índice* 13,26

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 1.000.000.

Principais reclamações (em ordem decrescente): débito em conta de depósito não autorizado pelo cliente; oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada; e outras irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços.

5º Lugar: Itaú (conglomerado)

Reclamações procedentes 826
Número de clientes 68.154.249
Índice* 12,11

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 1.000.000.

Principais reclamações (em ordem decrescente): oferta ou prestação de informação a respeito de produtos e serviços de forma inadequada; outras irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços; e débito em conta de depósito não autorizado pelo cliente.

Bancos médios – menos de quatro milhões de clientes

A oferta de crédito a pequenas e médias empresas, realização de empréstimos consignados e financiamentos de carros são os principais serviços oferecidos pelos bancos médios.

As principais reclamações sobre as instituições financeiras com menos de dois milhões de clientes são restrições à realização de portabilidade de operações de crédito consignado por recusa injustificada e irregularidades no fornecimento de documento para liquidação antecipada desse tipo de operação.

1º lugar: Safra (conglomerado)

Reclamações procedentes 114
Número de clientes 900.429
Índice* 126,60

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 100 mil.

Principais reclamações (em ordem decrescente): restrição à realização de portabilidade de operações de crédito consignado relativas a pessoas naturais; irregularidades relacionadas ao fornecimento de documento para liquidação antecipada de operações de crédito consignado; e irregularidades no processo de encerramento de conta de depósitos à vista.

2º lugar: Pan (conglomerado)

Reclamações procedentes 250
Número de clientes 2.697.308
Índice* 92,68

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 100 mil.

Principais reclamações (em ordem decrescente): restrição à realização de portabilidade de operações de crédito consignado relativas a pessoas naturais; irregularidades relacionadas ao fornecimento de documento para liquidação antecipada de operações de crédito consignado; e concessão de crédito consignado sem a formalização do título adequado.

3º lugar: Intermedium (conglomerado)

Reclamações procedentes 27
Número de clientes 301.733
Índice* 89,48

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 100 mil.

Principais reclamações (em ordem decrescente): restrição à realização de portabilidade de operações de crédito consignado relativas a pessoas naturais; irregularidades relacionadas ao fornecimento de informações sobre operações de crédito consignado (pessoa natural); e irregularidades relativas a integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços relacionados a cartões de crédito.

4º lugar: Agiplan (conglomerado)

Reclamações procedentes 17
Número de clientes 281.851
Índice* 60,31

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 100 mil.

Principais reclamações (em ordem decrescente): irregularidades relacionadas ao fornecimento de contratos de operações de crédito de outras modalidades, exceto crédito consignado, financiamento imobiliário e cartão de crédito; descumprimento de prazo de resposta da reclamação registrada no BCB; e concessão de crédito consignado sem a formalização do título adequado.

5º lugar: Paraná Banco (conglomerado)

Reclamações procedentes 33
Número de clientes 610.774
Índice* 54,02

*Número de reclamações dividido pelo número de clientes e multiplicado por 100 mil.

Principais reclamações (em ordem decrescente): restrição à realização de portabilidade de operações de crédito consignado relativas a pessoas naturais; irregularidades relacionadas ao fornecimento de informações sobre operações de crédito consignado (pessoa natural); e irregularidades relacionadas ao fornecimento de documento para liquidação antecipada de operações de crédito consignado.