São Paulo - Para os trabalhadores que possuem recursos depositados no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e têm o direito de utilizá-los na capitalização da Petrobras, essa é uma grande oportunidade, segundo especialistas. O grande empecilho são as restrições impostas pelo governo para o saque do dinheiro. Somente quem comprou ações da Petrobras em 2000 com o FGTS e manteve esses papéis em carteira ao menos até 30 de junho de 2010 poderá utilizar agora parte do que possui depositado no fundo para comprar mais ações.

Se é esse o seu caso, é preciso ficar atento aos prazos da operação. A reserva dos papéis começa na próxima segunda-feira (13 de setembro) e se encerra no dia 16. Até 30% do saldo que o trabalhador possui no FGTS pode ser utilizado para a compra de novos papéis. Outra restrição é que a quantidade de ações compradas não pode ultrapassar os investimentos já detidos em papéis da Petrobras.

Para participar da capitalização da estatal, o trabalhador precisa entrar em contato com o gestor do fundo de ações da estatal do qual já é cotista, apresentar o extrato do FGTS e solicitar a nova aplicação de recursos. A transação deve ser concretizada apenas no dia 29 de setembro.

Segundo a Caixa Econômica Federal, banco que administra os recursos depositados no FGTS, o trabalhador só poderá resgatar o dinheiro aplicado na Petrobras 12 meses após o início do investimento. Mesmo após esse período, o dinheiro resgatado não virá diretamente para o bolso do trabalhador. Os recursos voltarão ao FGTS e só podem ser sacados em determinadas condições.

O regulamento do fundo prevê, por exemplo, que um trabalhador com carteira assinada demitido possa resgatar o dinheiro depositado no FGTS. Da mesma forma, alguém que queira comprar o primeiro imóvel na cidade onde mora pode usar o saldo do FGTS para abater valor a ser pago ao vendedor

Bom negócio?

Segundo o especialista em finanças pessoais Mauro Calil, vale a pena participar da operação. Ele lembra que o rendimento do FGTS, que atualmente é de 3% ao ano mais TR, é muito menor do que o potencial de valorização das ações da Petrobras no longo prazo. "Quem fez as contas vai participar. Todos que podem sacar os recursos do FGTS devem usar os recursos nesse negócio", aconselha Calil.

André Massaro, especialista em finanças do MoneyFit, também considera o uso do capital do FGTS na compra dos ativos da estatal um bom negócio. No entanto, ele é um pouco mais cético e recomenda que o trabalhador utilize até 20% do dinheiro que possui no fundo para comprar as ações.
 
Massaro considera que o cenário para a Petrobras é um pouco mais incerto atualmente do que era no começo da década. As ações da estatal perderam muito valor desde 2008, quando atingiram suas máximas históricas.

De forma geral, os papéis costumam ter forte valorização quando o preço do petróleo sobe no mercado mundial, e vice-versa. Eventuais altas dependem muito do crescimento global - e não faltam dúvidas sobre a saúde econômica dos países ricos neste momento.

Por isso, a recomendação dele é que o investidor fique atento e seja comedido na hora de colocar dinheiro na operação. "O investidor  comum deve ser mais cauteloso. Se tomar a decisão de entrar no negócio, que entre com pouco", afirma Massaro.

Leia mais notícias sobre Petrobras.

Siga as notícias de Finanças Pessoais no Twitter.

Tópicos: Capitalização da Petrobras, FGTS, Petrobras, Empresas, Estatais brasileiras, Petróleo, gás e combustíveis, Empresas brasileiras, Empresas estatais, Empresas abertas, Indústria do petróleo