Aguarde...

Veículos usados | 19/05/2010 10:49

Saiba quando um carro passou por colisão, roubo ou enchente

Esses incidentes deixam cicatrizes que podem ser identificadas por quem está interessado em comprar um carro usado

carro-acidente-460-jpg.jpg

Carro batido: acidentes deixam sinais perceptíveis mesmo após conserto

São Paulo - Mesmo para especialistas, comprar um carro usado é sempre uma experiência emocionante. Por mais que colisões, enchentes e furtos deixem suas cicatrizes, o passado de um veículo sempre pode ser bem maquiado por serviços realizados em oficinas ou "martelinhos de ouro". "A compra se torna ainda mais arriscada quando o vendedor é uma pessoa física", afirma Felício Félix, analista técnico do Cesvi Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária). A aquisição feita em loja ou concessionária pressupõe uma série de garantias - algumas delas estabelecidas no próprio Código de Defesa do Consumidor. Em primeiro lugar, o endereço do vendedor é conhecido. O estabelecimento é obrigado a prestar garantia de motor e câmbio por ao menos 90 dias. Muitas concessionárias prometem estender essa garantia a outras peças pelo mesmo período desde que o consumidor possa provar que o defeito existia antes do fechamento do negócio.

Já a compra de um carro de outra pessoa física pode ser considerada um tiro no escuro - a não ser que uma série de cuidados sejam tomados. O ideal é comprar o automóvel de algum conhecido ou então obter o endereço e o telefone do vendedor. É sempre recomendável pedir a última conta de telefone do vendedor para ter segurança que as informações prestadas são verdadeiras. Com a ajuda de um especialista, coloque os termos de compra e venda do veículo em um contrato e peça para que o vendedor declare que garante o funcionamento de motor e câmbio por 90 dias.

Mesmo que haja um problema, no entanto, a transação entre duas pessoas físicas não é regida pelo Código de Defesa do Consumidor, explica Maria Inês Dolci, coordenadora da associação de defesa do consumidor Pro Teste. Se for impossível chegar a um acordo, o negócio deverá parar na Justiça. Para ações que envolvam até 40 salários mínimos, o comprador ainda poderá acionar um juizado especial cível - o antigo tribunal de pequenas causas - e requerer a compensação pelo prejuízo. Já em ações relativas a valores maiores, será necessário entrar com uma ação na Justiça comum - onde o desfecho costuma ser mais demorado. Abaixo especialistas dizem como identificar quando um carro foi furtado ou danificado por colisão, enchente ou uso severo. O conselho é claro: se encontrar indícios de algum desses defeitos, fuja de problemas na Justiça e compre outro veículo.

Carro furtado

Cerca de 350.000 veículos são roubados ou furtados no Brasil a cada ano. Em geral, as lojas e concessionárias com melhor reputação já fazem a checagem da procedência de um veículo porque terão de garantir isso aos clientes. No entanto, quando comprar o automóvel usado de outra pessoa física, é necessário tomar uma série de precauções. Cheque o número do chassi. Veja se é o mesmo da documentação e se os mesmos números estão grafados nos vidros. Na lateral do banco do passageiro, verifique se não há indícios de adulteração do número do chassi e se a distância entre os números é a mesma. Outro indício de fraude é o número 3: é difícil desenhá-lo sempre igual no chassi. Faça uma análise se as placas traseira e dianteira do veículo são idênticas. Além das letras e dos números, verifique se o fabricante e o ano de produção da placa são os mesmos. Veja se não há indícios de que o lacre da placa tenha sido rompido. Verifique no site do Detran se a placa do carro é verdadeira e se não há pendências - como multas - a serem pagas.

Comentários (0)  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados